Tarcísio afirma que Bolsonaro aceitará eventual derrota: ‘É um democrata’

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Tarcísio de Freitas (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)
Tarcísio de Freitas (Foto: REUTERS/Amanda Perobelli)

Tarcísio de Freitas (Republicanos), ex-ministro da Infraestrutura e pré-candidato ao governo de São Paulo, diz confiar nas urnas eletrônicas e que o presidente Jair Bolsonaro (PL), seu aliado político, respeitará o resultado das eleições por ser "um democrata". As informações são do Jornal O Globo.

“Eu confio. Mas, como todo processo, ele pode ser aprimorado. Se há uma desconfiança que é de uma parcela da sociedade, e isso vem sendo reverberado de alguma forma, cabe ao TSE mostrar que o sistema é seguro. Não existe sistema inviolável e nada que não possa ser aperfeiçoado. É um gesto de humildade ouvir e analisar propostas que sejam eventualmente feitas. Falta um gesto para que todos tenham essa mesma confiança que a Justiça têm (na urna). Ela não conseguiu comunicar isso de uma forma adequada para uma parcela da sociedade", disse em entrevista ao jornal.

Questionado se o chefe do Executivo "passará a faixa", caso perca as eleição presidencial deste ano, Tarcísio afirmou que sim. "O presidente é um democrata e é um produto da democracia, ele se elegeu por meio da democracia."

São Paulo

Ainda durante entrevista concedida ao jornal, o ex-ministro falou quem ele esperaria enfrentar na disputa para o Palácio dos Bandeirantes.

“A eleição aqui vai reproduzir a nacional. A tendência de repetição da polarização é muito grande. Acredito que devemos ter no segundo turno um candidato do Lula, o Haddad, e um do Bolsonaro", disse.

“Tem um pré-candidato do presidente Bolsonaro definido, que sou eu. Hoje, existe um desconhecimento muito grande por parte do próprio eleitor do Bolsonaro de que eu sou o pré-candidato dele. À medida que entenderem isso, podemos esperar um crescimento da minha candidatura”, acrescentou.

Sobre a rejeição de Bolsonaro em São Paulo, ele afirma ser capaz de atrair eleitores de centro.

“Consigo conversar com outros espectros políticos. Consigo trazer eleitores de centro que enxergam em mim uma pessoa pragmática capaz de tirar projetos do papel”, salientou Tarcísio.

O pré-candidato ao governo paulista avaliou ainda a gestão do ex-governador João Doria (PSDB) como "desastre".

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos