Tarcísio pede que Alesp puna deputado que agrediu Vera Magalhães

Deputado bolsonarista Douglas Garcia (PL-SP) agride jornalista Vera Magalhães durante debate em SP - Foto: Reprodução/Redes Sociais
Deputado bolsonarista Douglas Garcia (PL-SP) agride jornalista Vera Magalhães durante debate em SP - Foto: Reprodução/Redes Sociais

Após as agressões contra a jornalista Vera Magalhães, Tarcísio de Freitas (Republicanos) declarou que a Assembleia Legislativa de São Paulo deve punir Douglas Garcia. "Eu não posso falar pelo partido, mas eu acho que esse tipo de atitude tem que ser punida severamente. Inclusive, pela Alesp", disse o candidato ao governo de São Paulo.

Vera foi agredida pelo deputado Douglas Garcia, também do Republicanos, na saída do debate para governador do estado de São Paulo nesta terça-feira (13), que aconteceu no Memorial da América Latina.

Magalhães usou sua conta no Twitter para falar das agressões e postar vídeos do momento. Por conta do ocorrido, segundo relato da própria, ela teve de sair escoltada do local.

A presidente do Conselho de Ética da Assembleia Legislativa de São Paulo, a deputada Maria Lucia Amary (PSDB), afirmou que vai autuar e notificar Douglas Garcia. “Como presidente do Conselho de Ética da Assembleia de SP, recebi agora pouco uma representação contra o deputado Douglas Garcia pelas ofensas à jornalista Vera Magalhães, após o debate ao Governo do Estado. Estou imediatamente enviando para a autuação e notificação do deputado”, afirmou a deputada, que repudiou a atitude do deputado e se solidarizou com a jornalista.

Deputados querem cassação de Garcia

Os deputados estaduais Emídio de Souza e Paulo Fiorilo, do PT, vão pedir na Assembleia Legislativa de SP a cassação do deputado Douglas Garcia.

À coluna da jornalista Andréia Sadi, da GloboNews, Emídio afirmou que a atitude do parlamentar é “incompatível com o Estado Democrático de Direito e o seu comportamento perante a jornalista Vera Magalhães representa um grave desrespeito com as mulheres”.

A deputada Monica Seixas também protocolou uma representação contra Douglas Garcia na Alesp.

Pesquisas eleitorais, como saber em quais posso confiar?

Em meio a essa diversidade de levantamentos existentes no Brasil, muitos eleitores não sabem em quais resultados acreditar.

No primeiro dia do ano passou a ser obrigatório (leia a resolução clicando aqui)o registro junto à Justiça Eleitoral de qualquer pesquisa pública relacionada às eleições para presidente e governador. Porém, se uma pesquisa está registrada não necessariamente significa que ela será confiável, isso porque não há nenhum tipo de fiscalização prévia sobre a metodologia desses levantamentos.

Atualmente, a confiabilidade das pesquisas é garantida no Brasil por meio da transparência. São algumas das informações que devem ser cadastradas junto à Justiça Eleitoral, tornando as pesquisas passíveis de contestação, caso qualquer irregularidade seja encontrada posteriormente:

  • Nome do contratante

  • Valor cobrado pela pesquisa

  • Origem dos recursos investidos

  • Metodologia

  • Período de realização

  • Sistema de fiscalização da coleta de dados

  • Tipo de questionário aplicado

Para identificar os atributos que mais merecem atenção nas pesquisas eleitorais, a reportagem do Yahoo! Notícias conversou com alguns especialistas no assunto e separou uma lista com os pontos mais importantes, confira aqui.

Qual a data das Eleições 2022?

O primeiro turno das eleições será realizado no dia 2 de outubro, um domingo. Já o segundo turno – caso necessário – será disputado no dia 30 de outubro, também um domingo.

Veja a ordem de escolha na urna eletrônica nas Eleições 2022

  1. Deputado federal (quatro dígitos)

  2. Deputado estadual (cinco dígitos)

  3. Senador (três dígitos)

  4. Governador (dois dígitos)

  5. Presidente da República (dois dígitos)