Tartaruga considerada extinta há 100 anos ainda existe em Galápagos, diz Equador

·1 minuto de leitura
Ilha do arquipélago de Galápagos, no Equador

Por Alexandra Valencia

QUITO (Reuters) - O Equador confirmou na terça-feira que uma tartaruga gigante encontrada em 2019 nas Ilhas Galápagos é de uma espécie considerada extinta há um século.

O Parque Nacional de Galápagos está preparando uma expedição para procurar mais tartarugas gigantes na tentativa de salvar a espécie.

A tartaruga foi encontrada dois anos atrás na Ilha Fernandina, uma das mais imaculadas do arquipélago, durante uma expedição conjunta entre o Parque Nacional de Galápagos e a Conservação de Galápagos.

Cientistas da Universidade de Yale a identificaram como a espécie "Chelonoidis phantasticus", que se acreditava extinta mais de um século atrás.

"A Universidade de Yale revelou os resultados de exames genéticos e a respectiva comparação de DNA que foi feita com um espécime extraído em 1906", disse o Parque de Galápagos em um comunicado.

Nas Ilhas Galápagos, que serviram de base para a "Teoria da Evolução das Espécies" do cientista britânico Charles Darwin no século 19, muitas variedades de tartarugas vivem junto com flamingos, atobás, albatrozes e cormorões -- uma família de uma espécie de ave aquática.

Elas também abrigam muitos exemplares de flora e fauna ameaçados de extinção.

"Acreditava-se que ela estava extinta mais de 100 anos atrás! Reconfirmamos sua existência", escreveu o ministro do Meio Ambiente, Gustavo Manrique, em sua conta de Twitter.

A população atual de tartarugas gigantes de várias espécies está estimada em 60 mil, de acordo com dados do Parque Nacional de Galápagos.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos