Tasso abandona prévias nacionais do PSDB para apoiar Leite contra Doria

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·6 minuto de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 07.08.2019 - O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), relator da reforma da Previdência no Senado, durante entrevista à Folha em seu gabinete. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress) ORG XMIT: AGEN1908072238886003
***ARQUIVO***BRASÍLIA, DF, 07.08.2019 - O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), relator da reforma da Previdência no Senado, durante entrevista à Folha em seu gabinete. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress) ORG XMIT: AGEN1908072238886003

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Num movimento esperado por membros do PSDB, o senador Tasso Jereissati (CE) desistiu de sua pré-candidatura à Presidência da República para apoiar o governador Eduardo Leite (RS) nas prévias do partido. Os dois fizeram o anúncio de forma conjunta na tarde desta terça-feira (28), em Brasília.

As prévias tucanas, marcadas para 21 de novembro, estão concentradas em Leite e no governador João Doria (SP). Ambos fazem campanha pelos estados e travam uma corrida apertada até agora. O ex-prefeito de Manaus Arthur Vírgilio também é pré-candidato, mas tem menos chances e, na visão de tucanos, pode desistir antes do final.

No discurso em que declarou sua desistência e seu apoio a Leite, Tasso exaltou qualidades do gaúcho e afirmou que a maioria da bancada do Senado e 80% das executivas estaduais do PSDB estão apoiando essa ala nas prévias tucanas.

"Não sou candidato nas prévias do PSDB, mas isso não quer dizer que não estou na luta. Estou na luta, junto com companheiros, para fazer, no meu ver a pessoa que representa o PSDB legítimo, histórico e o PSDB do futuro, que é o governador Eduardo Leite, candidato à Presidência e presidente da República", disse Tasso durante evento na sede do PSDB nesta tarde.

A reunião teve a presença de parlamentares tucanos que apoiam Leite e da imprensa. Tasso afirmou que sua decisão se deu por uma questão de pragmatismo e pela série de afinidades de pensamento entre ele e Leite.

"Começamos a perceber uma coisa muito clara, que 80% mais ou menos das executivas estaduais ou estavam com Eduardo ou comigo, não estou exagerando. Eu olhava para Eduardo e pensava: esse cara pensa igual a mim. A única diferença é a idade, porque sou mais bonito e mais moço", brincou Tasso, que tem 72 anos contra 36 do governador.

"Vi no Eduardo dinamismo, juventude e força de vontade, que, depois dos 70 anos, a gente procura ter, mas não tem mais. [...] O Brasil de hoje espera realmente uma coisa nova", disse Tasso.

O senador afirmou ainda que, junto de Leite, irá fazer uma visita ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), que já declarou publicamente apoio a Doria —a visita irá reabrir a disputa entre os governadores pelo voto do tucano mais importante do partido.

"Tenho certeza absoluta de que o presidente FHC está torcendo, no mínimo, pela nossa caminhada", disse Tasso.

Em sua fala, Tasso também criticou o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), afirmando que ele tem viés autoritário e desprezo pela democracia e pela ciência. "O Brasil está na rota de naufrágio em todos os sentidos", completou.

O senador, que esteve com o ex-presidente Lula (PT) durante o giro do petista no Nordeste, afirmou que as pessoas hoje se ofendem e se agridem e que diálogo é preciso.

Leite afirmou receber o apoio de Tasso com orgulho e responsabilidade. Ao exaltar o senador, fez críticas veladas a Doria ao dizer que, como Tasso, vê a "política como missão" e que a política exige "pensar nos outros e não em si".

"Vejo em Tasso as melhores qualidades que devem inspirar um homem público", afirmou o governador.

Como na semana passada, ao se inscrever para as prévias, Leite buscou um discurso de moderação, buscando se contrapor às críticas contundentes de Doria contra Lula e Bolsonaro.

"O movimento deve ser o da união, da convergência, do entendimento. [...] O Brasil não precisa de um terceiro polo de radicalização, mas de uma terceira via", completou.

Outros senadores também discursaram, incluindo José Aníbal (SP), que coordena o processo de prévias e, por isso, evitou declarar seu voto, embora tenha exaltado características que tucanos associam à candidatura de Leite e não de Doria.

Segundo Aníbal, o PSDB deve construir uma "candidatura que seja viável, que dê confiança aos brasileiros, que promova convergência e não polarização, e que nos dê condição de disputar e vencer essa eleição".

Apesar de Tasso ter feito sua inscrição nas prévias na semana passada, sua desistência era tida como certa. Ele e Leite são aliados de longa data e vinham discutindo juntos as estratégias nas prévias.

O senador foi estimulado por alas do partido a concorrer por ser um nome considerado de consenso, mas questões pessoais e políticas pesaram contra. Ao portal Metrópoles Tasso afirmou que não pretende disputar mais um mandato e quer passar tempo com a família.

Tasso não chegou a viajar para fazer campanha nas prévias e manteve seu isolamento social em Fortaleza. Tucanos demonstravam preocupação com a disposição e com a saúde do senador para uma campanha presidencial. A assessoria de Tasso afirma que o senador não tem problemas de saúde.

Com o apoio de Tasso, Leite cresce no Ceará e em outros estados do Nordeste, além de ter conquistado Rio Grande do Sul, Paraná e Minas Gerais. Doria, por sua vez, é favorito em São Paulo, estado com maior número de parlamentares e filiados do PSDB. Também fechou apoio de Tocantins, Distrito Federal e Pará.

A disputa entre Leite e Doria se dá no campo da chamada terceira via, que reúne partidos contrários a Bolsonaro e Lula. Ao fazer sua inscrição nas prévias, o paulista optou por ataques diretos ao petista e críticas veladas a Bolsonaro.

Já Leite afirmou não querer fomentar a polarização e adotou tom moderado, embora também tenha criticado o petista e o presidente.

O cenário de concorrência apertada entre eles aparece refletido na pesquisa Datafolha deste mês. Tanto Doria quanto Leite marcam 4% das intenções de voto –bastante atrás de Lula (com 44%) e de Bolsonaro (com 26%). Em cenários variados, Doria chega a 6%.

O gaúcho, que é menos conhecido da população, leva vantagem no índice de rejeição, que é de 18%, contra 37% de Doria.

Em abril, Tasso, que foi presidente do PSDB e governador do Cerá por três mandatos, chegou a ser descrito por líderes tucanos como Biden brasileiro, numa referência ao presidente americano Joe Biden. A ideia era que, como candidato do partido à Presidência da República, ele aglutinasse apoios da esquerda e da direita, aliando experiência e visão progressista.

Da parte de aliados de Doria, porém, a real candidatura de Tasso e sua disposição em concorrer sempre foram desacreditadas. O governador chegou a anunciar, no mês passado, no programa Roda Viva, que Tasso já havia até desistido —o avanço de sinal gerou mal-estar no partido.

No PSDB, a avaliação é a de que Leite reúne maior simpatia entre membros do partido, mas Doria tem diminuído a desvantagem ao trabalhar de forma mais intensa que o adversário numa campanha interna para superar a rejeição.

Além disso, o paulista tem a seu favor a estrutura e o peso da máquina do Palácio dos Bandeirantes. Em contrapartida, Leite é apontado como o que mais tem capacidade de congregar partidos aliados, enquanto Doria poderia levar o PSDB ao isolamento.

REGRAS DAS PRÉVIAS DO PSDB

Colégio eleitoral de quatro grupos, com 25% de peso cada

1. filiados

2. prefeitos e vice-prefeitos

3. vereadores, deputados estaduais e distritais

4. governadores, vice-governadores, deputados federais, senadores, ex-presidentes do PSDB e o atual

Datas

20.set - inscrição dos candidatos

18.out - início dos debates

21.nov - primeiro turno

28.nov - segundo turno​

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos