Tática de Bolsonaro para debate divide ala ideológica da campanha

Marqueteiro defende que Bolsonaro não seja agressivo e priorize comentários 'propositivos'. Foto: MIGUEL SCHINCARIOL / AFP / Getty Images.
Marqueteiro defende que Bolsonaro não seja agressivo e priorize comentários 'propositivos'. Foto: MIGUEL SCHINCARIOL / AFP / Getty Images.
  • Tática escolhida pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) para usar em debate deste domingo (28) dividiu campanha, diz colunista;

  • Marqueteiro defende que Bolsonaro evite ser agressivo e priorize comentários 'propositivos';

  • Enquanto isso, parte da ala mais ideológica do governo e da campanha quer que o presidente 'vá para cima' de Lula.

O primeiro debate com os presidenciáveis acontecerá neste domingo (28), às 21h, e será realizado em conjunto pelas emissoras Band e TV Cultura e pelos portais de notícia UOL e Folha de S. Paulo.

A tática escolhida pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) para usar na ocasião colocou seu marqueteiro, Duda Lima, em oposição aos integrantes da ala mais ideológica do governo e da campanha, afirma o colunista Igor Gadelha, do portal Metrópoles.

O publicitário, que foi excluído da preparação do chefe do Palácio do Planalto para o Jornal Nacional, da TV Globo, foi chamado para prepará-lo para o debate presidencial.

Lima aconselhou que Bolsonaro não seja agressivo durante o evento, e pediu ao presidente que evite atacar Lula, priorize falas "propositivas" e enfatize as realizações do governo.

Contudo, os membros da ala mais ideológica querem que o presidente vá "para cima de Lula" e tire o petista da "zona de conforto".

O debate deve contar com presença dos candidatos:

  • Luiz Inácio Lula da Silva (PT)

  • Jair Bolsonaro (PL)

  • Ciro Gomes (PDT)

  • Simone Tebet (MDB)

  • Felipe d’Ávila (Novo)

  • Soraya Thronicke (União Brasil)

*As informações são do Metrópoles.