Taxa de contágio pelo coronavírus no Brasil se mantém alta, diz Imperial College

·3 minuto de leitura
Foto: Fotoarena / Agência O Globo

O Imperial College de Londres divulgou nesta terça-feira seu levantamento semanal das taxas de contágio pelo novo coronavírus no mundo no período referente aos dias 12 a 18 deste mês. Os dados indicam que o quadro da epidemia de Covid-19 no país manteve a tendência de alta observada pelo estudo na semana passada, referente à semana de 5 a 11 de janeiro: o índice, chamado de Rt, ou R0, oscilou ligeiramente de 1,21 para 1,20.

O Imperial College projeta que o Brasil registrará 8.519 óbitos pelo novo coronavírus até o próximo dia 26, um salto de 1.724 vítimas fatais em relação à última semana no cenário mediano. No pior quadro estimado, as perdas para a Covid-19 podem chegar a 9.670. A universidade contabilizou 6.786 mortes no período compreendido entre os dias 12 e 18.

A projeção só é superada pelas do México (8.760) e Reino Unido (9.190) entre as nações citadas pelo relatório. Os Estados Unidos, que devem completar 400 mil óbitos pela Covid-19 nessa terça-feira e têm registrado índices recordes de mortes pelo coronavírus, não fazem parte do levantamento.

O Rt acima de 1 indica que a doença avança sem controle no país. O atual índice, também chamado de R0, indica que cada 100 pessoas contaminadas contagiam outras 120. A taxa de contágio é uma das principais referências para acompanhar a evolução epidêmica do Sars-CoV-2 no Brasil. Quando fica abaixo de 1, o índice indica tendência de estabilização.

A taxa de transmissão brasileira é a mesma que a do Reino Unido e da África do Sul, países onde surgiram variantes do novo coronavírus que estariam atreladas a uma maior capacidade de infecção. No Brasil, uma mutação identificada no Amazonas é estudada, mas ainda não há informações científicas que deem conta de seu impacto sobre o quadro epidemiológico do estado, que vive uma alta de casos, internações e óbitos pela Covid-19.

Especialistas costumam ponderar que é preciso acompanhar o Rt por um período prolongado de tempo para avaliar cenários, levando em conta o atraso nas notificações e o período de incubação do coronavírus, que chega a 14 dias. Além disso, por ser uma média nacional, a taxa de contágio não significa que a doença está avançando ou retrocedendo em todas as cidades e estados do país.

O Brasil, no entanto, apresenta um Rt acima de 1 há semanas. Estatísticas oficiais também indicam que os casos de Covid-19 e as mortes pela doença crescem desde dezembro. Na última segunda-feira, a média móvel de óbitos pelo Sars-CoV-2 no país foi 33% maior do que o índice registrado há duas semanas, segundo o consórcio de veículos de imprensa formado por O GLOBO, Extra, G1, Estado de S. Paulo, UOL e Folha de S. Paulo.

Dentro da margem da universidade britânica, o Rt brasileiro pode variar de 0,87 até 1,27. Os maiores índices levantados pelo Imperial College são da Irlanda (2,34), Portugal (1,41), Ruanda (1,38), Bolívia (1,35) e Guatema (1,34).