Taxa de desemprego chega a 12,9% em maio, com 7,8 milhões perdendo trabalho

Cássia Almeida
População que desistiu de procurar uma vaga, os desalentados, subiu 15,3%, e já soma 5,4 milhões.

Maio foi mais um mês de avanço do desemprego no Brasil, por causa da pandemia do coronavírus. O IBGE divulgou nesta terça-feira que a taxa de desocupação ficou em 12,3% no trimestre terminado em maio, a maior desde o início da série do instituto em 2012. Já são 12,7 milhões de desempregados no Brasil, conforme a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnadc).

Mas o número não mostra com precisão o estrago no mercado de trabalho com a pandemia. Segundo o IBGE, 7,8 milhões ficaram sem trabalho no trimestre encerrado em maio, mas boa parte não conseguiu voltar a procurar uma vaga - o que caracteriza o desempregado - por causa da pandemia. Nesse contingente, 5,8 milhões foram de trabalhadores informais, 74% do total.

A pandemia fez com que a força de trabalho (ocupados mais desempregados) caísse em 9 millhões, nível recorde da série. Assim, mais da metade da população em idade de trabalhar (14 anos ou mais) ficou sem ocupação.

No trimestre anterior, dezembro a fevereiro, a taxa de desemprego ficara em 11,6%. O emprego formal também atingiu o menor ponto da série do IBGE. Em maio, eram 31,1 milhões, com 2,5 milhões de pessoas de trabalhadores sendo cortados, frente ao trimestre encerrado entre dezembro e fevereiro.

A informalidade também recuou. Concentrados em comércio e serviços,  os trabalhadores informais, sem proteção social,  foram fortemente atingidos pelo distanciamento social. O número de empregados sem carteira caiu 20,8%, aqueles por conta propria, 8,4%, e os trabalhadores domésticos, 18,9%.

Envie denúncias, informações, vídeos e imagens para o WhatsApp do Extra (21 99644 1263)

O IBGE vem divulgando também  uma pesquisa específica sobre os efeitos da pandemia sobre o mercado de trabalho, mas com periodicidade semanal.

Esse levantamento não é comparável com a pesquisa que foi divulgada nesta terça-feira, mas mantém as mesmas tendências. A edição mais recente mostrou que mais de 17 milhões não conseguiram procurar emprego em maio, por causa do coronavírus.

Na segunda-feira, o Ministério da Economia divulgou os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) A pandemia levou ao fechamento de 1,4 milhão de vagas com carteira assinada.

Só em maio a perda de postos de emprego formais chegou a 331.901. O saldo negativo, no entanto, ficou abaixo do registrado em abril, quando as demissões superaram contratações em 902.841.