Taxa de recusa em responder ao Censo é duas vezes maior em São Paulo

Logo Agência Brasil
Logo Agência Brasil

O estado de São Paulo tem uma taxa de recusa em responder ao Censo 2022 que é quase o dobro da média nacional. Entre os paulistas, 4,85% não receberam os recenseadores responsáveis pela coleta. No Brasil, a taxa é de 2,6%.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta que entraves criados por condomínios de alto padrão podem explicar parte dessas negativas. A meta é concluir a coleta até o final deste mês. O Disque-Censo 137 é a ferramenta disponível para quem ainda não respondeu ao questionário e deseja agendar uma visita do recenseador.

Notícias relacionadas:

“A principal motivação que a gente percebe é justamente a maior concentração de condomínios, principalmente de alto padrão, que têm mais restrições de acesso, têm portaria eletrônica, às vezes têm regras que o próprio condomínio estabelece de contato prévio com morador”, aponta Wagner Silveira, coordenador de divulgação do Censo SP. Nesses casos, considera-se que houve recusa indireta. O procedimento do IBGE estabelece que sejam feitas três tentativas e a recusa é anotada quando o morador diz que não irá responder.

Silveira ressalta que, apesar de os números serem mais altos em São Paulo, a maioria dos paulistas está colaborando com a pesquisa. “A meta é concluir os trabalhos até o final de janeiro. Estamos próximos de 80% do estado já coletado. Temos esse período para conseguir finalizar, lembrando que uma parte dos municípios já foi concluída. O esforço maior agora é nas cidades de maior porte e capital”, acrescenta.

Agendamento

O IBGE aposta no agendamento direto pelo Disque-Censo 137 para chegar aos que querem participar da pesquisa. “O morador solicita diretamente o agendamento, então já quebra toda essa cadeia. Criando essa oportunidade de contato, o próprio condomínio não pode criar nenhum tipo de restrição”, sugere o coordenador. Ele aponta que, do ponto de vista estatístico, uma taxa aceitável de recusa é em torno de 2%, equivalente à verificada em âmbito nacional.

Multa

Para quem se recusa a responder o censo, há uma multa de até dez salários mínimos prevista em lei, mas Silveira destaca que o órgão atua no convencimento para o exercício desse direito. “O objetivo não é aplicar multa, é ter informação de qualidade. E a gente sabe que isso depende da boa vontade das pessoas. Então nós buscamos a entrevista voluntária dos moradores para ajudar justamente a finalizar esse grande trabalho tão importante para o país.” Essa mesma lei garante o sigilo das informações e proíbe que os dados sejam usados para outro fim que não a produção de dados estatísticos pelo instituto.

Entrevista

São dois tipos de questionários e somente no momento em que a entrevista é iniciada o equipamento seleciona qual deles será aplicado. O mais simples dura em torno de três a cinco minutos e o mais extenso varia de acordo com o tamanho da família. Silveira aponta que, para uma família com quatro integrantes, o questionário leva em torno de 20 minutos. Somente um dos moradores responde ao questionário.

O coordenador do IBGE lembra que o censo, mais do que uma obrigação, é um direito. “Por exemplo, o repasse de recursos federais para os municípios depende do tamanho da população, o efetivo da Polícia Militar é dimensionado com base nos dados do censo. Toda vez que alguém se abstém de dar essa informação, quem está perdendo é o morador, é a sociedade, é a coletividade.”