TCU dá dez dias para Manaus informar se foi pressionada pelo Ministério da Saúde para usar cloroquina

Victor Farias
·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — O ministro Benjamin Zymler, do Tribunal de Contas da União (TCU), deu dez dias para que a secretaria de Saúde de Manaus (AM) informe ao TCU se foi pressionada a indicar medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19 pelo Ministério da Saúde.

"Informe se houve algum tipo de pressão por parte dos membros daforça-tarefa do Ministério da Saúde quando da visita feita no dia 11/1/2021,para que essa unidade de saúde difundisse a utilização de medicamentoscomo cloroquina, hidroxicloroquina e/ou ivermectina no tratamento precocedos pacientes com Covid-19 nesse município", escreveu.

Em janeiro, em meio ao crescimento no número de casos da doença no Amazonas e a crise provocada pela falta de oxigênio para tratar pacientes, o governo federal enviou um ofício à Manaus classificando como "inadimissível" a não adoção da orientação da pasta, que inclui o uso de medicações antivirais para o tratamento precoce da Covid-19. As drogas orientadas não têm eficácia comprovada contra a doença.

No despacho, assinado na sexta-feira passada, o ministro do TCU pede informações sobre o ofício, enviado pela secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro, e sobre a visita feita por uma força-tarefa da pasta ao município. Zymler também pede que Manaus envie posicionamento sobre o uso de cloroquina, hidroxicloroquina e ivermectina no tratamento de doentes de Covid-19.