Tebet é lançada ao Planalto pelo MDB, critica governo e acena a outros partidos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·2 min de leitura
Senadora Simone Tebet
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Por Eduardo Simões

SÃO PAULO (Reuters) - A senadora Simone Tebet (MS) foi lançada oficialmente pré-candidata ao Palácio do Planalto na eleição do ano que vem pelo MDB com um discurso de defesa da democracia, críticas ao governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) e acenos a outros partidos, como PSDB, União Brasil e Cidadania.

Ao aceitar a pré-candidatura ao Planalto pelo MDB, Tebet exaltou a história do partido, lembrando que foi a legenda de oposição à ditadura militar, e fez uma defesa da responsabilidade fiscal, ao mesmo tempo que apontou o problema da fome no Brasil como principal prioridade.

"Aceito ser pré-candidata pelo MDB porque hoje é a História que chama novamente o MDB a agir", disse ela. "O Brasil não pode mais estar à mercê de aventureiros, de outsiders", acrescentou, afirmando que os emedebistas fazem parte de um campo democrático, no qual citou também o PSDB, o Cidadania e o União Brasil, partido que está sendo criado com a fusão de DEM e PSL.

A senadora criticou o governo Bolsonaro, acusando-o de não ter projeto para o país, de criar crises artificiais e de promover a discórdia e a polarização.

Ela criticou ainda a gestão da pandemia de Covid-19 por parte do governo federal, que classificou de "negacionista", e a política ambiental de Bolsonaro, que chamou de "desastrosa", apontando que, além da Amazônia e do Pantanal, também está sendo queimada a credibilidade do agronegócio brasileiro no exterior.

A pré-candidatura de Tebet se soma a uma série de outras que buscam romper a polarização apontada até o momento nas pesquisas de intenção de voto entre Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que lidera com folga as sondagens.

Entre esses nomes estão o do ex-juiz e ex-ministro Sergio Moro (Podemos), que aparece em terceiro nas pesquisas bem atrás de Bolsonaro, de Ciro Gomes (PDT), do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos