Tebet tem maioria no MDB, mas cenário é incerto até convenção

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 25.05.2022 - A senadora e pré-candidata ao Planalto Simone Tebet (MDB-MS). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*Arquivo* BRASÍLIA, DF, 25.05.2022 - A senadora e pré-candidata ao Planalto Simone Tebet (MDB-MS). (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Depois de ter a pré-candidatura aprovada pela direção do MDB, Simone Tebet (MDB-MS) encara uma série de desafios para consolidar seu nome na disputa pela Presidência da República.

Levantamento feito pela Folha indica que, se a convenção fosse hoje, a candidatura da senadora teria votos suficientes para ser aprovada pelo partido.

Para traçar a tendência de votos, a reportagem conversou nos últimos dias com dirigentes estaduais e com delegados, que têm direito a voto no encontro.

Atualmente, em pelo menos 19 diretórios há indicação de apoio por unanimidade ou por maioria dos convencionais à candidatura.

A projeção de dirigentes estaduais é que Tebet conseguiria reunir ao menos 65% dos votos na convenção.

No entanto, o cenário pode mudar até o meio do ano, quando ocorrerá a reunião. Alguns líderes de diretórios regionais e políticos do partido apontam que o apoio pode ser revertido, se a candidatura não decolar.

O presidente do MDB, deputado Baleia Rossi (MDB-SP), diz que Tebet conta com o apoio de 90% do partido.

Emedebistas que resistem à senadora e mesmo apoiadores da parlamentar que conhecem bem o partido, porém, dizem que a sigla está dividida e, na convenção, o resultado pode ser mais apertado do que a direção planeja.

Isso porque, no encontro, cada estado tem um número determinado de delegados, aptos a votar, e cada um deles tem uma quantidade de votos calculada com base no cargo que ocupa na direção estadual e nacional da sigla e suas funções públicas. Ou seja, uma pessoa pode acumular votos.

Ex-presidentes do partido também têm direito a voto. O encontro deverá ser realizado no intervalo entre 20 de julho e 5 de agosto --prazo previsto pelas regras eleitorais.

Entre os principais desafios, Tebet precisará trabalhar para sair do índice de 2% de intenções de voto, segundo a última pesquisa Datafolha, e assegurar que a maioria dos pares a aprovará na convenção do partido.

A própria cúpula do MDB reconhece que a candidatura de Tebet no momento é apenas política, garantindo o apoio para que seja chancelada na convenção. Falta ainda o componente eleitoral.

Caso a senadora não se mostre viável, ganhará força o cenário em que os diretórios ficam livres para escolher se ligarem ao presidente Jair Bolsonaro (PL) ou ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Essa posição já é defendida principalmente pela ala do MDB que enxerga na aliança com Lula uma chance maior de bons resultados na política local.

Esse grupo prefere o apoio ao petista porque a aliança com o ex-presidente dá força aos palanques locais, além de aumentar as chances de participação em um eventual governo.

Não seria inédita a situação em que emedebistas apoiam outros candidatos na disputa nacional. Foi assim na eleição de 2018, quando o candidato do partido foi Henrique Meirelles.

Membros de diretórios estaduais do MDB fazem uma comparação entre a candidatura de Meirelles e um possível cenário para Tebet neste ano.

A cúpula do MDB já conta com a resistência à senadora em estados como Alagoas, Ceará, Amazonas e Paraíba. No entanto, o comando do partido em outras unidades da federação, como Bahia e Sergipe, ainda evita se posicionar publicamente sobre a candidatura de Tebet por ora.

"Pessoalmente, a minha defesa é pelo [ex-]presidente Lula. Mas ainda não tivemos a reunião da comissão estadual", disse Jackson Barreto, presidente do diretório do partido em Sergipe.

Há estados, porém, em que a presença tanto de Lula como de Bolsonaro é forte e seus dirigentes preferem candidatura própria para não se comprometerem com uma posição.

O presidente do diretório do Rio, Leonardo Picciani, defende a candidatura de Tebet, segundo aliados, e uma das razões é evitar se comprometer com a polarização.

O Rio tem 26 votos e por lá, a posição na convenção será dividida. Isso porque Picciani tem ascendência sobre uma ala dos convencionais, mas o deputado Washington Reis também tem influência sobre um grupo e deve abrir uma dissidência pró-Bolsonaro na convenção.

Além das divisões internas no Rio de Janeiro, outros estados apresentam disputa sobre o rumo a ser tomado pelo partido na corrida presidencial.

No Rio Grande do Sul, a maioria dos votos deve ser a favor de Tebet. Mas a ala ligada ao deputado Osmar Terra, que foi ministro do governo Bolsonaro, tende a rifar a senadora para tentar criar alianças com partidos bolsonaristas.

Há mesmo dirigentes partidários que manifestam publicamente apoio à candidatura, mas reconhecem nos bastidores que seguem discutindo alianças com os outros candidatos e que aguardam para analisar o comportamento de Tebet nas pesquisas.

O MDB costuma ser um partido dividido e já teve disputas apertadas em convenções.

Em uma delas, em 2006, o ex-governador fluminense Anthony Garotinho foi rifado da disputa pela Presidência da República depois de a convenção optar por não ter candidatura própria.

O placar foi apertado: 303 votos de convencionais a favor de um nome do MDB na disputa, e 351 contrários. Naquela época, o ex-presidente Itamar Franco também queria disputar o Palácio do Planalto.

Em outras convenções, como as de 1998 (quando foi decidido o apoio à reeleição de Fernando Henrique Cardoso, do PSDB) e 1987, as divergências no partido, que se chamava PMDB, resultaram em xingamentos, brigas e agressões.

A convenção para tentar chancelar o nome de Tebet à disputa presidencial ainda não foi convocada.

Além dos embates internos no MDB, a senadora busca o apoio de outros partidos da terceira via em meio a dúvidas sobre o potencial eleitoral de candidatos numa eleição, até o momento, concentrada em Lula e Bolsonaro.

Para ganhar tração na disputa presidencial, o MDB negocia uma aliança com o PSDB. As conversas apontam para os tucanos indicarem um vice na chapa com Tebet após João Doria, ex-governador de São Paulo, desistir de concorrer à Presidência da República na eleição deste ano.

Mas ainda há impasses regionais, como em Pernambuco, onde o MDB tem uma aliança local para apoiar Danilo Cabral, do PSB, apesar da pré-candidatura de Raquel Lyra, do PSDB.

"Nós temos uma aliança consistente com o PSB. Será um prazer ter uma aliança nacional com o PSDB, mas não vejo isso no plano local", disse o presidente do MDB de Pernambuco e deputado federal, Raul Henry.

O diretório estadual, segundo ele, irá apoiar a campanha presidencial de Tebet com exceção de algumas prefeituras, como em Paulista (PE).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos