Telecom Italia trabalha em plano de negócios enquanto avalia oferta da KKR, dizem fontes

·2 min de leitura
Logo da TIM

Por Elvira Pollina e Stephen Jewkes

MILÃO (Reuters) - A Telecom Italia está trabalhando com bancos para criar um novo plano de negócios que pode envolver uma separação de ativos enquanto estuda opções para avaliar a oferta de aquisição do grupo feita pela norte-americana KKR, disseram duas fontes com conhecimento do assunto nesta terça-feira.

A companhia, controladora da TIM no Brasil, recebeu uma oferta de aquisição feita pela KKR em novembro que avaliou o grupo de telecomunicações em 33 bilhões de euros, incluindo dívida.

A oferta da KKR é condicional ao recebimento de apoios do conselho de administração da companhia e do governo italiano. O maior acionista da TIM, o grupo francês Vivendi afirma que a proposta subavalia o valor da Telecom Italia.

O novo plano de três ano vai considerar uma série de opções para ampliar o valor da empresa, como separação de ativos que incluem o negócio de rede fixa, estratégico para a companhia, dizem as fontes.

A Telecom Italia, que indicou Goldman Sachs e LionTree como assessores para avaliação da oferta da KKR e outras opções, também contratou os italianos Mediobanca e Vitali & Co para ajudar a empresa a elaborar o plano, acrescentaram as fontes.

A rede fica da Telecom Italia é o ativo mais cobiçado do grupo e já houve pedidos de importantes acionistas da companhia para uni-la à rival de fibra óptica Open Fiber de modo a ampliar retornos e evitar duplicação de investimentos.

A companhia deve aprovar as diretrizes do novo plano de três anos em uma reunião de conselho de administração marcada para 26 de janeiro, afirmou uma das fontes.

A empresa, que também precisa encontrar um substituto para o ex-presidente executivo Luigi Gubitosi, contratou a empresa de caça-talentos Spencer Stuart para achar um novo presidente, processo que deve ser finalizado até o final deste mês.

Pietro Labriola, presidente da TIM e que foi indicado como diretor-geral da Telecom Italia em novembro após a renúncia de Gubitosi, é considerado como um dos principais candidatos ao comando do grupo italiano, disseram as fontes.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos