Tem alguns idiotas que até hoje ficam em casa, diz Bolsonaro sobre isolamento na pandemia

·2 minuto de leitura
Presidente Jair Bolsonaro, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada (Foto: Reprodução)
Presidente Jair Bolsonaro, em conversa com apoiadores no Palácio da Alvorada (Foto: Reprodução)
  • Presidente Jair Bolsonaro chama de "idiotas" pessoas que ficam em casa ao obedecer medidas restritivas por conta da covid

  • Ele aproveitou para enaltecer o agronegócio, que "não parou" durante a pandemia

  • Acuado com CPI, Bolsonaro tem radicalizado o discurso

O presidente Jair Bolsonaro chamou de “idiotas” as pessoas que ficam em casa ao obedecer medidas restritivas para evitar a disseminação do coronavírus, em conversa com apoiadores na manhã desta segunda-feira (17).

Ele aproveitou para enaltecer o agronegócio, dizendo que o homem do campo não parou durante a pandemia e, assim, garantiu alimentos para quem deixou de sair às ruas. O presidente participou de manifestação promovida por agricultores e religiosos no sábado, em Brasília.

Leia também

"O agro realmente não parou. Tem uns idiotas aí, o 'fique em casa'. Tem alguns idiotas que até hoje ficam em casa. Se o campo tivesse ficado em casa, esse cara tinha morrido de fome, esse idiota tinha morrido de fome. Daí, ficam reclamando de tudo", disse.

Desde o início da pandemia, Bolsonaro criticou as medidas restritivas e o uso de máscara, além de promover aglomerações e defender medicamentos comprovadamente sem eficácia contra a covid, como a hidroxicloroquina.

Acuado, Bolsonaro sobe o tom

Acuado com a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado, o presidente tem radicalizado o discurso. Outro fator que tem pressionado Jair Bolsonaro é a alta desaprovação ao governo. O presidente também é visto como o principal culpado pela situação da crise sanitária.

O desempenho do presidente Jair Bolsonaro na resposta à pandemia do coronavírus é reprovado por pouco mais da metade dos entrevistados da última pesquisa do Instituto Datafolha, divulgada na quinta-feira. De acordo com o levantamento, 51% consideram sua gestão na crise sanitária ruim ou péssima, enquanto 21% a consideram ótima ou boa — o menor índice de aprovação de Bolsonaro desde o início da pandemia.

A nova pesquisa eleitoral Datafolha ainda mostra que o ex-presidente Lula (PT) é o favorito para a eleição presidencial de 2022. Segundo o levantamento, o petista aparece com 41% das intenções de voto no primeiro turno. Jair Bolsonaro, em seguro lugar, tem 23%.

Ele tem ameaçado a edição de decreto para enfrentar medidas restritivas de prefeitos e governadores e insinua o uso do que chama de “meu Exército”.

Na avaliação de aliados, as falas não passam de “blefe”, um aceno para sua base popular e radical. Parlamentares destacam também a estratégia de fazer cortina de fumaça para encobrir os reais problemas, como colocar sob suspeita o sistema eleitoral brasileiro e atribuir a Deus a exclusividade de poder tirá-lo do cargo.

"Já falei que sou imorrível, já falei que sou imbrochável e também sou incomível", disse aos apoiadores nesta segunda-feira.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos