'Tem gosto de esgoto', reclama morador de São Cristóvão que há um ano convive com problema na água da Cedae

Ludmilla de Lima
·2 minuto de leitura

Há um ano que a família do motorista José Airton Amorim, morador de São Cristóvão, não sabe o que é água boa saindo de suas torneiras. E de dezembro para cá, o mau cheiro piorou. A crise na qualidade da água da Cedae provocada pela presença de geosmina tem obrigado parte da população a gastar mais.

Na casa de José Airton, um dos primeiros a denunciar o problema no verão passado, além da conta da companhia — de R$ 135 —, entrou no orçamento a compra de água mineral. Para atender quatro pessoas (além dele, a mulher e dois filhos) o motorista desembola R$ 40 por semana, ou R$ 160 por mês.

— No total, agora gasto mais comprando água mineral do que com a conta da Cedae — lamenta ele, dizendo que nem a limpeza constante da caixa d’água nem a troca frequente do filtro do purificador dão jeito no gosto e cheiro ruins. — Tem gosto de esgoto mesmo. No ano passado, a Cedae veio aqui duas vezes, coletou amostras, mas até hoje não chegou o resultado.E aágua continjua amarela, suja.

Os gastos com água mineral começaram quando a mulher do motorista, no ano passado, teve uma infecção intestinal. Na época, a médica que fez o atendimento disse que o problema seria consequência da água.

Questionada se há novo laudo sobre a geosmina, a Cedae informou que a análise da água, quando concluída, será publicada no seu site.

Coordenador do Núcleo de Defesa do Consumidor da Defensoria Pública do Estado, Eduardo Chow diz que o órgão reúne documentos para pedir alguma compensação aos consumidores prejudicados pela qualidade da água ou por falhas no abastecimento. A Defensoria, com os problemas na Elevatória do Lameirão, chegou a pedir a execução de uma multa de R$ 100 mil ao dia, instituída durante a pandemia, para o caso de problemas no fornecimento pela Cedae. No entanto, em audiência com a Justiça, foi decidido que a empresa tomaria medidas para regularizar o sistema.

Desde o verão passado, há duas ações em curso: uma sobre a geosmina e outra sobre a falta d´água.

— Estamos avaliando se será necessária nova ação ou se podemos conseguir outro tipo de conduta da Cedae, como desconto ou indenização para os consumidores — afirma o defensor público, completando. — É preciso que exista sensibilidade da empresa e do próprio Judiciário. Repetir isso todo ano não é adequado para a população. O que está acontecendo mostra que nada foi feito desde a última crise.

No ano passado, a Justiça chegar a acatar o pedido da Defensoria de desconto de 25% nas contas, o que foi derrubado pela Cedae em segunda instância.