Os temas delicados que serão tratados na reunião Trump-Xi

Por Ben Dooley
Xi Jinping e Donald Trump

O presidente americano, Donald Trump, e seu colega chinês, Xi Jinping, reúnem-se pela primeira vez nesta quinta-feira, na suntuosa residência do magnata republicano na Flórida. Seguem abaixo quais devem ser os assuntos discutidos:

- Coreia do Norte -

Este tema será, seguramente, um dos prioritários. Pyongyang acaba de disparar seu enésimo míssil balístico, depois de ter realizado em setembro um ensaio nuclear que provocou novas sanções internacionais contra o regime de Kim Jong-un. No entanto, chineses e americanos divergem sobre a maneira de convencer o país a abandonar seu programa atômico.

Para os Estados Unidos, a China é o principal apoio econômico e diplomático da Coreia do Norte, tendo, assim, forte influência sobre seu vizinho.

A China, entretanto, nega essa influência e diz se opôr às sanções, que afetam a população norte-coreana. Para Pequim, o enfraquecimento do regime de Pyongyang provocaria um fluxo de refugiados e permitiria ao exército americano, já presente na Coreia do Sul, instalar-se na fronteira chinesa, em uma hipotética Coreia reunificada.

Donald Trump acusou em meados de março a China de ter "feito pouco" para combater a Coreia do Norte. E, em um entrevista publicada no domingo, deixou escapar uma ameaça de uma operação militar e afirmou estar disposto a "solucionar" o problema unilateralmente caso Pequim continue hesitando.

A China, por sua vez, rejeita o escudo antimísseis "Thaad" que os americanos começaram a erguer na Coreia do Sul, considerando que prejudica sua força de dissuasão.

- O comércio -

Na campanha eleitoral, Donald Trump acusou a China de práticas comerciais desleais e de desvalorizar sua divisa para favorecer suas exportações. Trump também ameaçou Pequim com a imposição de altas tarifas alfandegários caso o país não facilite o acesso dos Estados Unidos a seu mercado.

Em uma mensagem publicada no Twitter na semana passada, o presidente republicano classificou o déficit comercial com a China (mais de 310 bilhões de dólares) de grave problema que tornará "muito difíceis" suas negociações com Xi Jinping.

Pequim garante que não busca excedente com os Estados Unidos e pediu a Washington que flexibilize seus controles à exportação de produtos de alta tecnologia.

- Taiwan -

Em dezembro, logo após a eleição, Donald Trump irritou a China ao responder um telefonema da presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen. Pequim considera Taiwan (território não reconhecido pela ONU e separado politicamente da China desde 1949) como uma província sua e proíbe todo contato oficial entre a ilha e os países estrangeiros. O presidente americano voltou atrás em fevereiro, durante uma conversa telefônica com Xi Jinping. Esse assunto delicado pode ressurgir se Trump decidir utilizá-lo para pressionar Pequim.

- O mar da China Meridional -

A China reivindica quase toda essa zona estratégica onde aumenta a superfície, de forma artificial, de ilhotas e arrecifes, alguns dos quais podem abrigar armamento. A administração Trump criticou essas obras, sem definir, contudo, uma política clara na região, para onde o governo Obama enviou navios de guerra e aviões em nome da defesa da liberdade de navegação.

- Os Direitos Humanos -

É um tema que tradicionalmente causa atritos entre chineses e americanos. Mas desde que assumiu o cargo, Donald Trump tem demonstrado interesse limitado sobre o tema. Em 1990, chegou a elogiar a repressão das manifestações da praça de Tiananmen em Pequim um ano antes. A Casa Branca prometeu que o tema será discutido na Flórida mas algumas associações (Human Rights Watch, Anistia Internacional) manifestaram sua preocupação pelo silêncio de Trump e pediram que a China seja pressionada, em um momento em que vários advogados estão sendo processados no país por defenderem os Direitos Humanos.