Temer diz que há tentativas de desprestigiar os políticos, mas não é momento de se "acoelhar"

Por Lisandra Paraguassu
Temer em cerimônia no Palácio do Planalto 12/4/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

Por Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Michel Temer afirmou nesta terça-feira, em reunião com parlamentares aliados, que existem tentativas de "desprestigiar a classe política", mas que não é hora de se "acoelhar" e é preciso resistir.

"É claro, há um problema sério no país, vocês sabem disso. As questões mais variadas, que muitas e muitas vezes visam desprestigiar a classe política e nós todos precisamos resistir. Eu tenho resistido quanto posso", afirmou Temer, acrescentando que tem dado entrevista e falado "o que o Brasil precisa".

Temer pediu, ainda, que os parlamentares usem a tribuna no Congresso para dizer o que estão fazendo "pelo país". "Vocês têm uma tribuna muito mais forte que a minha", disse. "Acho que é importante. Não podemos nos acoelhar, mostrar que estamos numa posição delicada", afirmou.

No encontro, marcado para que o relator da reforma da Previdência, Arthur Oliveira Maia (PPS-BA) apresentasse o relatório final para os parlamentares da base, Temer afirmou que "ninguém quer fazer mal ao país" e que é "mentira" que as mudanças tirarão direitos dos mais pobres.

"Vou usar uma palavra forte: mentira. Mentira, porque 63 por cento do povo brasileiro ganha salário mínimo, portanto, não vai atingir os pobres. Os que resistem e fazem campanha, são os mais poderosos.  São aqueles que ganham mais. Temos que dar uma resposta a isso", defendeu.