Temer diz ser provável que alguns ministros se afastem após delações da Odebrecht

O presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto em Brasília. 11/04/2017 REUTERS/Ueslei Marcelino

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Michel Temer admitiu nesta segunda-feira que é “constrangedor” ver o país envolvido na série de denúncias de corrupção das delações de executivos da Odebrecht e que alguns de seus ministros podem pedir demissão, mas reiterou que mantém a linha de corte de só afastar quem for denunciado ao Supremo Tribunal Federal.

“É muito provável que alguns ministros fiquem desconfortáveis e acreditem que não podem continuar”, disse Temer em entrevista por telefone à rádio Jovem Pan. “Não vou demitir ou exonerar porque alguém falou de outro”.

Temer disse ainda ser “constrangedor” e “extremamente desagradável” ter sido citado nas delações da Odebrecht como tendo negociados recursos ilegais para o PMDB, por “se tratar de uma inverdade”, mas assegurou que as delações não irão “prejudicar a governabilidade”.

(Por Lisandra Paraguassu)