Temer telefonará a presidente chinês para esclarecer crise da carne

O presidente Michel Temer, em Brasília, em 16 de março de 2017

O presidente Michel Temer anunciou nesta quinta-feira que vai telefonar para o contraparte chinês Xi Jinping, para "esclarecer a situação" sobre o escândalo da carne adulterada, que provocou o fechamento de vários mercados.

Segundo comprador de carne bovina e frango do Brasil, a potência asiática suspendeu suas importações na segunda-feira.

"Vou telefonar mais tarde ao presidente chinês para esclarecer a situação. Peço que os embaixadores de todos os países importadores sejam convocados", afirmou o chefe de Estado em um discurso em Brasília.

As exportações brasileiras de frango à China em 2016 superaram os 859 milhões de dólares, enquanto as de carne bovina alcançaram os US$ 703 milhões, segundo dados do Ministério de Desenvolvimento e Comércio Exterior (MDIC).

Ao falar da questão da carne adulterada, Temer se referiu a um "pequeno incidente", antes de retificar: "Não vou falar pequeno, porque é grave", afirmou, ressaltando que o escândalo "nunca deveria ter alcançado esta dimensão".

Desde o início da crise, na sexta-feira, o governo se esforça para relativizar a amplitude da crise. Na última terça-feira, Temer havia dito a investidores que a Operação Carne Fraca era "fato insignificante" e que o "alarde" causado não poderia passar "impunemente".

A operação denunciou 21 frigoríficos por praticar delitos de corrupção, usar produtos cancerígenos para maquiar cortes estragados e adulterar etiquetas para falsificar a data de validade, entre outras práticas. Tudo isso com o aval de fiscais sanitários subornados para autorizar essas vendas.

Em razão do escândalo, Hong Kong, primeiro importador de carne vermelha, também fechou temporariamente seu mercado.