Temido ideólogo do Khmer Vermelho é cremado no Camboja

Por Suy SE et Sophie DEVILLER
Homens se reúnem em frente ao caixão de Nuon Chea, "irmão número dois" do Khmer Rouge, em um templo em Pailin

Centenas de pessoas se reuniram nesta sexta-feira (9) no Camboja para a cremação do corpo de Nuon Chea, o temido irmão Número Dois, o ideólogo do regime comunista do Khmer Vermelho, que mergulhou o país em um período de terror entre 1975 e 1979.

Membros de sua família e antigos funcionários do grupo ultramaoísta prestaram uma homenagem a ele, acendendo incensos e rezando em frente ao seu caixão ricamente ornado, segundo jornalistas da AFP.

O ex-braço direito do líder Pol Pot faleceu no domingo em Phnom Penh, aos 93 anos.

Em 2014, ele foi condenado à prisão perpétua por "crimes contra a humanidade" pelo tribunal internacional criado pela ONU.

Quatro anos depois, foi considerado culpado de "genocídio" contra várias minorias étnicas.

Nascido em 7 de julho de 1926, na província de Battambang (noroeste), Nuon Chea estudou Direito na prestigiosa Universidade de Thammasat, em Bangcoc, entre 1941 e 1948.

Juntou-se aos jovens do Partido Comunista da Tailândia e depois do Camboja, onde participou da resistência contra o poder colonial francês.

Em seguida, ajudou Pol Pot a organizar o futuro Partido Comunista do Kampuchea, conhecido pelo nome de Khmer Vermelho.

Nuon Chea foi detido em 2007.

O regime de Pol Pot, falecido em 1998, matou cerca de dois milhões de pessoas entre 1975 e 1979.

Cerca de um quarto da população morreu de exaustão, fome, doenças, torturas e execuções.

O Khmer Vermelho liderou o país, impondo sua utopia agrária.

Foram derrubados em 1979 pela intervenção armada do Vietnã.