Temos que estar atentos à violência dos que não sabem conviver democraticamente, diz Lula

Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa de evento de campanha em Manaus

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O ex-presidente e candidato ao Planalto Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta sexta-feira que o ataque sofrido pela vice-presidente da Argentina, Cristina Kirchner, serve de alerta ao Brasil, que vê, a um mês das eleições, episódios de agressões e violência por motivações políticas.

Lula disse ainda que seu principal adversário na disputa eleitoral, o presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL), não tem o costume de "conviver democraticamente" com quem discorda, o que motiva um estado de atenção, segundo o petista, a eventuais atos de violência provocados por esse tipo de atitude.

"Eu acho que o bom senso indica que a gente tenha que ter isso como um alerta. Acho que o bom senso indica que precisamos ficar alertas com o que pode acontecer no Brasil, porque nós temos visto todo santo dia na imprensa, temos ouvido todo dia na televisão, todo dia na imprensa tem uma insinuação. E quem faz insinuação pode cumprir aquilo que está prometendo", disse o ex-presidente a jornalistas em São Luís, no Maranhão, onde faz campanha.

"Eu acho que todos nós que somos políticos temos que estar atentos à violência provocada por aqueles que não sabem viver democraticamente", acrescentou Lula.

Cristina Kirchner teve uma arma de fogo a poucos centímetros de seu rosto na noite da quinta-feira, enquanto conversava com apoiadores, mas a arma não chegou a disparar.

A situação no Brasil já vinha, nos últimos anos, mostrando um clima de acirramento político, mas à medida que as eleições se aproximam, também se intensificam relatos de agressões e casos de violência por motivação política.

Em julho, o petista Marcelo Arruda, um guarda municipal, foi assassinado durante sua festa de aniversário em Foz de Iguaçu (PR) por Jorge Guaranho, policial penal federal. Segundo boletim de ocorrência registrado na Polícia Civil do Paraná e testemunhas no local, Guaranho teria aparecido na festa --que tinha como tema o PT e o ex-presidente Lula-- apontando uma arma ao mesmo tempo que gritava palavras a favor de Bolsonaro.

O próprio Bolsonaro, que na campanha passada foi esfaqueado enquanto fazia campanha em Minas Gerais, foi alvo de um pedestre em Curitiba nesta semana. Vídeo veiculado pela mídia mostra que o presidente participava de uma motociata quando um pedestre parece atirar algo contra ele. Não há informações sobre se havia um objeto. Bolsonaro não chegou a ser atingido.