'Temos que viver nosso momento histórico intensamente', diz Regina Duarte em estreia de filme sobre ascensão de Bolsonaro

·3 minuto de leitura
SAO PAULO, SP, BRASIL 20.09.2021 Regina Duarte (atriz). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
SAO PAULO, SP, BRASIL 20.09.2021 Regina Duarte (atriz). (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A ex-secretária da Cultura do governo Bolsonaro Regina Duarte esteve na pré-estreia do documentário “Nem Tudo se Desfaz”, que mostra a ascensão de Jair Bolsonaro à presidência, na segunda (20), em São Paulo. “Adoro ele [diretor Josias Teófilo] Acho ele legal, um grande artista. Vim para ver o filme”, diz a atriz rapidamente à coluna. Regina não quis falar com a imprensa —“não estou dando entrevistas”.

“Vi o trailer [do filme] e achei fascinante. É importante conhecer a nossa história. Respeito e dou a maior força para quem está voltado para contar um pouco da história que está acontecendo”, diz ainda.

“Temos que viver nosso momento histórico intensamente”, segue. “Se a gente quiser um futuro importante, bacana, temos que viver intensamente o nosso presente”, finaliza Regina.

A atriz usava uma máscara de proteção contra a Covid-19 preta com uma onça estampada —acessório que retirou dentro da sala de cinema. Regina aplaudiu o momento em que Josias Teófilo afirmou que estava na hora de o governo Bolsonaro valorizar a cultura. A atriz ficou à frente da pasta por menos de três meses, entre março e maio de 2020.

Ela chegou ao cinema Petra Belas Artes, em SP, acompanhada da deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP). “Nós somos amigas. Eu ofereci para buscá-la na casa dela. E viemos juntas”, diz a parlamentar.

Zambelli afirma que apoia o atual secretário da Cultura e sucessor de Regina, o ator Mario Frias, e que avalia que ele faz “um excelente trabalho” na pasta. Ela conta que convidou Frias para ser deputado federal em 2022 —mas que ele ainda não aceitou. “[Por qual partido?] O meu. Digo, onde eu estiver. Não sabemos ainda qual partido. E de preferência [sairá candidato] por São Paulo, pra poder vir aos finais de semana junto aqui comigo para a gente fazer campanha”, segue.

Antes de pegar um elevador para se dirigir à sala, ela posa para fotos com apoiadores. “Não tiro a máscara para não ser multada”, diz Zambelli. A parlamentar foi autuada pelo Governo de SP na manifestação no dia 7 de setembro por não usar o item de segurança.

Apesar de aviso sobre a obrigatoriedade de máscaras dentro do cinema logo na entrada do espaço e de repetidos pedidos de um segurança, grande parte dos convidados não usavam o item de proteção.

O evento reuniu muitas figuras do bolsonarismo. Passaram por lá o ex-secretário de Comunicação da Presidência Fabio Wajngarten, o diretor-geral da Abin (Agência Brasileira de Inteligência), Alexandre Ramagem, os deputados federais Bia Kicis (PSL-DF) e Helio Lopes (PSL-RJ) e o deputado estadual Gil Diniz (sem partido).

Também marcaram presença o ex-candidato a prefeito de SP pelo Novo, Filipe Sabará, e o ator Reinaldo Gonzaga, que narra o documentário. “Fiz a campanha para o Lula em 2002 ‘Brasil, um país de todos’. Fiz campanha também para o [José] Genoino, para a Marta Suplicy, para o [Aloizio] Mercadante. Hoje, eu estou do outro lado. Sou patriota, conservador e cristão. Por que estou do outro lado? Porque tenho olhos de ver”, diz Gonzaga.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos