Temporal interrompe circulação de trens, viagens da rodoviária e atrasa voos nos aeroportos

THAIZA PAULUZE

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A manhã caótica de chuvas e alagamentos na Grande São Paulo, com mais de 800 pontos de enchentes, interrompeu a circulação de trens, travou linhas de ônibus, e a saída e chegada aos terminais rodoviários. Também atrasou e cancelou voos nos aeroportos.

As linhas do metrô da capital paulista foram as menos afetadas e operaram sem restrição. Só a 3-vermelha está com velocidade reduzida devido à falha em um trem na estação Bresser-Mooca.

Já a CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) passou a manhã com operação parcial em várias linhas.

A 8-diamante está em processo de normalização e todas as estações estão sendo reabertas. Já a linha 9-esmeralda continua com a circulação interrompida entre Osasco e Santo Amaro por conta do alagamento. Os ônibus do Paese atendem o trecho. A viagem entre Grajaú e Santo Amaro tem circulação normal.

O sistema metropolitano de ônibus também ficou bastante afetado na Grande São Paulo com atrasos e suspensão da operação, já que as linhas que vêm de Guarulhos e da zona oeste passam próximo às marginais dos rios Tietê e Pinheiros, intransitáveis.

Em três horas de chuva densa, o volume do rio Pinheiros atingiu o maior nível desde que o governo começou a monitorar o sistema, em 1967, segundo a Secretaria de Infraestrutura e Meio Ambiente do Estado.

O rio chegou a 719,6 metros em relação à altitude do nível do mar, de acordo com a pasta. Até então, o recorde era de 719 metros, registrado durante a forte chuva que atingiu a cidade em 2005.

Segundo a secretaria de Transportes, em Guarulhos são registrados atrasos na operação de até 50 minutos nas linhas que vem do município com destino ao Terminal Tucuruvi. O Terminal Taboão, na cidade, está com operação suspensa devido a alagamentos.

Neste momento o Terminal Vila Galvão está com operação normal, assim como o Terminal Luís Bortolosso, em Osasco, que estava com os acessos alagados pela manhã. Cinco linhas intermunicipais que passam pelas rodovias Dutra e Ayrton Senna estão com operação paralisada.

As linhas de Guarulhos que têm como destino o Terminal Armênia também não conseguem chegar ao seu destino. As linhas da região de Osasco operam com atrasos por causa de alagamentos nas vias e congestionamentos.

Na Baixada Santista, apesar das fortes chuvas, o Veículo Leve sobre Trilhos opera normalmente.

Quem pretendia sair da capital paulista pela rodoviária também não conseguiu. No terminal Tietê, o principal, foram suspensas ao menos 364 partidas de ônibus programadas. Já na rodoviária da Barra Funda, ao menos 91 partidas foram canceladas. 

Segundo a concessionária que administra os terminais, os passageiros devem checar as informações sobre remarcação de passagens diretamente com as empresas de ônibus.

Os aeroportos de Cumbica, em Guarulhos, e Congonhas, na zona sul da cidade, estão abertos, mas muitos passageiros e tripulantes não conseguiram chegar a tempo do voo. 

Em Cumbica, 21 voos foram cancelados e 22 alternados para outros aeroportos --dos quais, 21 retornaram para Cumbica e um foi cancelado.    

A concessionária GRU Airport recomenda aos passageiros que confirmem a partida com as companhias aéreas. 

Já o aeroporto de Congonhas teve 12 atrasos e dois cancelamentos até às 15h.

Passageiros de voos marcados para esta segunda-feira e que não consigam chegar a tempo poderão pedir reembolso ou remarcar seus voos sem custo, segundo as companhias aéreas Azul e Latam. Já a Gol informou que está remarcando bilhetes sem custo.

De acordo com a Azul, os passageiros poderão optar por remarcar os voos para mais tarde nesta mesma segunda ou para terça-feira. Quem desistir de viajar também poderá solicitar o reembolso integral. Já os passageiros de voos cancelados serão reacomodados em outros voos da própria companhia.

Segundo a Latam, passageiros de voos cancelados ou reprogramados poderão alterar a data do voo sem cobrança de multa ou diferença tarifária, desde que dentro da vigência do bilhete. É possível também alterar a origem e/ou o destino do voo, também dentro do período da vigência do bilhete, mas sujeito a diferença tarifária. Os passageiros também podem optar por pedir o reembolso integral do bilhete.

Já os passageiros que não tiveram seus voos cancelados, mas tiveram problemas para chegar aos aeroportos, poderão alterar a data do voo da Latam para os próximos 15 dias, sem cobrança de multa ou diferença tarifária; alterar origem ou destino do voo sem cobrança de multa mas sujeito a diferença tarifária e dentro do período de vigência do bilhete; ou solicitar o reembolso integral.

A Gol informou que alguns voos precisaram ser cancelados ou sofreram atrasos, e que está prestando assistência aos clientes. Segundo a companhia, os bilhetes de passageiros impactados nesta segunda-feira podem ser remarcados sem custo --tanto no caso de quem teve voos atrasados ou cancelados, como para quem não conseguiu chegar aos aeroportos por conta dos transtornos causados pelas chuvas.

De acordo com o Inmet (Instituto Nacional de Meteorologia), a cidade de São Paulo registrou entre a tarde de domingo (9) e a manhã desta segunda o segundo maior volume de chuva em 24 horas no mês de fevereiro dos últimos 77 anos. 

A medição recorde, até o momento, foi registrada no dia 2 de fevereiro de 1983, quando choveu 121,8 mm. 

Entre 9h de domingo e as 9h desta segunda, choveu na capital paulista 114 mm. Considerando todos os meses do ano, o volume foi o oitavo maior acumulado da história.