Tendências para os negócios em 2021: veja o que sua pequena empresa precisar para ter sucesso

Patricia Valle
·5 minuto de leitura

O ano passado trouxe enormes desafios para os pequenos empresários e tendências que vieram para ficar. Os empreendedores precisam ficar atentos para ter sucesso. Veja quais são as tendências para o ano, segundo os especialistas.

Os canais digitais foram o único meio de venda no período de maior restrição na pandemia e as vendas cresceram muito e irão continuar crescendo. Mas se antes os consumidores já agradeciam o esforço de estar começando a vender pela internet, agora, ele irá pedir um atendimento profissional.

— O ano de 2020 gerou 10 milhões de novos consumidores digitais, e os que já eram se tornaram mais recorrentes. Será preciso investir no canal de venda e oferecer uma boa experiência de compra para continuar competitivo. E 70% das compras são feitas pelo celular, sendo indispensável navegabilidade neste meio — afirma Alejandro Vázquez, cofundador da Nuvemshop.

É preciso cumprir com o tempo de entrega e dar opções de troca do produto de forma clara. Um jeito do pequeno negócio competir com as grandes redes e trazer um atendimento mais personalizado e próximo do cliente.

— É uma obrigação agora de qualquer empresa saber se comunicar pelos canais digitais. Estar disponível para atender problemas e responder rapidamente são diferenciais que os pequenos negócios podem ter em relação as grande s empresas que tem mais escala no online — afirma Raquel Abrantes, Coordenadora de Mercado do Sebrae Rio.

Outra tendência que deve continuar é o serviço se assinaturas, em que o cliente recebe periodicamente um produto ou serviço. Para o negócio, é uma fidelização e uma venda recorrente.

— É interessante pensar em uma opção de venda por assinatura. Está muito em alta, é um comodidade para o cliente e é uma maneira de estar sempre perto e de ter vendas garantidas— afirma Raquel Abrantes.

Com os consumidores comprando mais online, estar nas mídias sociais é fundamental para atrair novos clientes.

— Pelos nossos dados, uma em cada quatro vendas na internet são geradas pelas mídias sociais. Elas podem ser um meio de chamar para o site ou até mesmo fazer vendas — afirma Alejandro Vázquez, cofundador da Nuvemshop, empresa que cria lojas online.

O tipo de rede social vai depender do negócio. Quem depende muito de imagem, como o setor de comida , pet e moda pode apostar no instagram. Já quem presta serviço deve investir no facebook. E o whatsapp funciona como um bom canal de comunicação durante o atendimento. E uma rede que está crescendo é o Tik tok.

— Está muito forte lá fora e já crescendo aqui no Brasil. E já é tendência nas PMEs. Funciona muito para dar dicas para os clientes de uma forma descontraída. Ou ficar próximo mostrando como os produtos são feitos — afirma Raquel Abrantes, Coordenadora de Mercado do Sebrae .

O mundo virtual se tornou indispensável, porém cansativo. Segundo uma cartilha lançada pelo Sebrae de tendências para os negócios em 2021, os consumidores estarão mais do que nunca virtuais, mas querem ser atendidos por humanos e se sentirem especiais.

—As pessoas estão cansadas do virtual, porque exige cansaço físico. Negociar um serviço presencialmente é diferente. Ninguém quer ser atendido por um robô que não entende o que se pede. Tem que se preocupar de que forma que está interagindo com o cliente — afirma Ylana Miller, sócia diretora da Yluminarh.

E essa pode ser uma vantagem para o pequeno empreendedor, que pode estar mais próximo. Dar um mimo, como um bilhete “essa comida foi feita com carinho para você”, ou mandar mensagens com promoções personalizadas . Ou simplesmente sempre atender com bom humor.

— São pequenos gestos que fazem toda a diferença em um momento em que muitas pessoas estão mais isoladas. Uma mensagem e um sorriso valem muito — pontua Raquel Abrantes é a Coordenadora de Mercado do Sebrae Rio.

Ao mesmo tempo que as compras online tomaram espaço na carteira dos consumidores, o fato de muita gente estar passando mais em casa, o que pode ser uma tendência com o home office, aumentou o tempo que a pessoa fica no seu bairro. Compras de conveniência que eram feitas perto do trabalho, ou no trajeto para casa agora são feitas no quarteirão de casa. Com isso, lojas em locais residenciais estão se destacando.

A aposta é que em 2021 as pessoas comecem a sair mais de casa, mas não muito longe. E para quem quer um atendimento mais individualizado busca ter uma boa relação com a loja local.

— Muita gente descobriu alguns comércios perto de casa . E, estando perto, é possível atender rapidamente . As lojas de bairro precisam focar nos clientes ao seu redor e fidelizá-lo. Se criou muito o vínculo com os pequenos negócios. A loja do Zé, da Maria. Mas é preciso continuar atendendo bem para manter esse cliente — acredita Raquel Abrantes .

O pagamento em espécie está mais do que nunca em desuso. Segundo os especialistas, o uso de dinheiro diminuiu muito na pandemia. E para garantir a venda é preciso ter todas as opções de pagamento e de forma simples.

— A relação de confiança do consumidor com o pagamento digital mudou. A tendencia é ficar mais virtual e prático. Desde o parcelamento no cartão de crédito ou ou pagamento com o pix. Isso pode definir a compra ou não — afirma Ylana Miller, sócia diretora da Yluminarh.

A tendência de crescimento do e-commerce vai continuar em 2021. Veja os setores que mais venderam e faturaram em 2020 e que devem continuar em alta:

Setores com maior faturamento

Moda e Acessórios

Alimentos e Bebidas

Cosméticos, Perfumaria e Cuidados Pessoais

Casa e Decoração

Saúde

Eletrônicos

Esporte e Lazer

Bebidas Alcoólicas

Loja de departamentos

Bebês e Cia

Setores com mais pedidos

Moda e Acessórios

Loja de departamentos

Cosméticos, Perfumaria e Cuidados Pessoais

Alimentos e Bebidas

Casa e Decoração

Saúde

Acessórios Automotivos

Games

Bebidas Alcoólicas

Esporte e Lazer

Fonte: Levantamento de dados realizado pela Loja Integrada - plataforma gratuita para criação de lojas virtuais.