Tenente morto na Linha Amarela queria ser militar desde a infância e fazia curso no Rio: 'É difícil falar dele. Só há coisas boas para contar', diz pai

Marcos Nunes
·2 minuto de leitura

Morto a tiros na saída da Linha Amarela, ao reagir a uma tentativa de assalto, o tenente do Exército e morador de Petrópolis João Pedro Fontaine Manso, de 25 anos, estava voltando para a Vila Militar, em Deodoro, na Zona Norte do Rio, quando trocou tiros com bandidos na altura da saída de Engenho de Dentro. Após o expediente, o rapaz tinha hábito de caminhar na praia antes de retornar para unidade militar, onde fazia um curso de aperfeiçoamento com duração de duas semanas. Habitualmente, ele voltava para Deodoro dirigindo sua BMW pela via expressa Transolímpica. Na noite desta quinta-feira, acabou pegando um outro caminho, segundo a família, provavelmente por conta de um aplicativo para evitar engarrafamentos.

— Ele sempre voltava pela Transolímpica, mas pegou um outro caminho provavelmente seguindo a dica de um aplicativo. Era militar e sabia que não podia dar bobeira e estava armado. Ele saiu da Linha Amarela e deu de cara com um Gol com quatro bandidos. Tentou voltar de marcha ré, mas um outro carro que apoiava os assaltantes bloqueou o caminho. Meu filho reagiu para tentar sobreviver e trocou tiros com os bandidos. Infelizmente acabou morto por conta desta violência toda — disse Rogério Manso, de 54anos, pai do militar, que soube da notícia da morte do filho por telefone.

— Estava viajando com a mãe dele no Sul de Minas Gerais. Minha filha, de 20 anos, me ligou. Vim para cá assim que soube — contou Rogério enquanto estava no Instituto Médico-Legal, onde foi tratar da liberação do corpo do filho.

Durante a troca de tiros, um bandido foi baleado pelo militar e também acabou morto. Descrito por amigos e parentes como um rapaz calmo e muito querido, João Pedro tinha previsão de retornar para Petrópolis, onde morava, nesta sexta-feira. De acordo com Rogério, seu filho sempre sonhou em seguir a carreira militar.

— Era um menino do bem e muito focado no sonho de seguir carreira militar. Fez a Academia das Agulhas Negras e era tenente. É até difícil falar dele. Só há coisas boas para contar. Era excelente filho. Estamos todos chocados com o que aconteceu — disse.

Pouco antes de morrer, o tenente postou fotos e videos numa rede social onde aparece na Praia da Reserva e comendo lanche em um shopping. Segundo Patrick Simão da Costa, de 25, amigo de infância do militar, ele, um outro amigo e João Pedro estavam planejando viajar para Las Vegas, nos Estados Unidos, em 2022. O militar, inclusive, havia comprado a passagem aérea no mesmo dia em que foi assassinado.

— Ele contou pelas redes sociais que havia comprado passagem. Foi pouco antes de ser assassinado. Era meu amigo de infância. Viajar com os amigos era um sonho dele — disse Patrick.

Lotado no Batalhão de Infantaria de Petrópolis, João Pedro Fontaine Manso será sepultado neste sábado no Cemitério de Itaipava, na Região Serrana do Rio. O caso é investigado por policiais da Delegacia de Homicídios da Capital.