Tenista brasileiro é banido do esporte por manipulação de resultados

Ex-número 1 do Brasil e nº 69 do ranking da ATP, o tenista João Souza, o Feijão, foi banido do tênis e condenado a pagar multa de US$ 200 mil (cerca de R$ 830 mil) por manipulação de resultados e outros delitos de corrupção, anunciou neste sábado a Unidade de Integridade do Tênis (TIU, em inglês)

Um investigação do órgão concluiu que entre 2015 e 2019, o jogador cometeu inúmeras violações do Programa Anticorrupção do Tênis (TACP), manipulando resultados em torneios realizados no Brasil, México, Estados Unidos e República Tcheca.

Feijão também foi condenado por não cooperar com as investigações, incluindo destruição de provas, além de pedir para que outros jogadores não se esforçassem durante as partidas.

A decisão do auditor independente anticorrupção Richard McLaren, tomada em audiência disciplinar realizada em Londres em 14 de janeiro, impôs proibição vitalícia, o que significa que "a partir de 24 de janeiro, o jogador estará permanentemente ilegível para competir ou participar de qualquer evento sancionado, organizado ou reconhecido pelos órgãos que regem o esporte", afirmou a TIU, em nota.

Feijão é atualmente o 742º mundo. Em 6 de abril do ano passado, ele havia sido suspenso preventivamente pela TIU, suspeito de manipular resultados no Challenger de Morelos, no México. O tenista chegou a reverter a decisão, mas a entidade conseguiu emitir outra punição.

Paulista de Mogi das Cruzes, Feijão tem 31 anos e um dos momentos altos na carreira foi a partida de 6h42 contra o argentino Leonardo Mayer pela Copa Davis – o mais longo da história da competição. No circuito da ATP, o seu melhor resultado foi o vice-campeonato no ATP 250 de Quito.