Tensão aumenta na fronteira entre Sérvia e Kosovo

As tensões estão ao rubro na fronteira entre a Sérvia e o Kosovo, com o aproximar do início de novembro. Todos cidadãos que residem no Kosovo, incluindo os de etnia sérvia, devem ter matrículass automóveis emitidas pelo Kosovo, sendo que as emitidas pela Sérvia deixam de ser válidas.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que visitou Pristina (capital do Kosovo), numa viagem por países dos Balcãs Ocidentais, disse que decisão kosovar é legítima.

"É primordial que as regras sejam seguidas. Existem regras e leis claras e têm de ser seguidas em qualquer país. Além disso, se houver um período de transição, este tem de ser suave e inclusivo", disse Ursula von der Leyen.

O Kosovo obteve a independência da Sérvia em 2008. Mas a população de etnia sérvia que vive na parte norte do Kosovo recusa-se a obedecer às regras do governo local.

Um plano diplomático franco-alemão foi apresentado recentemente para mediar a relação entre os dois países. O presidente sérvio, Aleksandar Vučić, disse que alguns elementos são inaceitáveis.

"Estamos prontos para con versar, para continuar as negociações. Mas há coisas que não podemos aceitar e, na resposta que enviámos, informámos os mais altos representantes dos Estados. Não entrarei em pormenores, mas demos informações aos representantes da França, da Alemanha e dos Estados Unidos", explicou Aleksandar Vučić.

A enviada ao Kosovo da euronews na Sérvia antevê ações nas ruas se o governo de Pristina não quiser prorrogar o prazo para a questão dos automóveis.