Tentativa de ataque hacker paralisa pesquisa da ANP pela segunda semana

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - A tentativa de ataque cibernético contra sistemas da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis) inviabiliza, pela segunda semana consecutiva, a divulgação da pesquisa de preços dos combustíveis no país.

O endereço em que é feita a atualização dos dados permaneceu fora do ar ao longo desta sexta-feira (12). As informações são coletadas em postos de combustíveis espalhados pelo Brasil.

Em semanas sem feriados, a pesquisa de preços costuma ser divulgada por volta das 18h nas sextas-feiras. A publicação não ocorreu na semana passada e não vai voltar nesta sexta, conforme nota divulgada pela ANP.

"A ANP informa que o Sistema de Levantamento de Preços permanece indisponível, assim como outros sistemas da agência e, por isso, os dados de preços dos combustíveis desta semana não serão publicados hoje (12/8)", diz o texto.

Segundo o órgão, a tentativa de ataque ocorreu na quinta-feira da semana passada (4). A ANP afirma que os sistemas foram retirados do ar "para avaliação dos riscos à segurança cibernética da agência".

O órgão não indicou quando a divulgação da pesquisa semanal será retomada. A agência afirmou que está "tomando todas as providências para o retorno dos seus sistemas o mais rápido possível" e que o trabalho está sendo feito de forma criteriosa, para que a retomada ocorra com segurança.

Com o atraso, só há dados disponíveis até a última semana de julho. Na ocasião, o preço médio da gasolina caiu mais 2,5% nos postos brasileiros, chegando a R$ 5,74 por litro.

Foi a quinta semana consecutiva de baixa, reflexo de medidas como a derrubada de alíquotas de ICMS (imposto estadual) sobre os combustíveis.

Na segunda metade de julho, a Petrobras anunciou duas quedas em sequência no preço da gasolina nas refinarias.

Em agosto, a estatal também confirmou dois cortes no preço do óleo diesel em suas refinarias. O combustível de caminhões seguia acima de R$ 7 por litro nos postos ao final de julho, conforme a ANP.