Tentativa de barrar eleição configura crime de responsabilidade, diz Barroso após ameaça de Bolsonaro

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Alvo de ataques do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Luís Roberto Barroso, afirmou nesta sexta-feira (9) que qualquer tentativa de impedir a realização de eleições em 2022 "configura crime de responsabilidade". 

Na quinta-feira (8), o chefe do Executivo voltou a defender a implementação do voto impresso no país e disse que em 2022 "ou fazemos eleições limpas no Brasil, ou não temos eleições". 

Leia também:

Nesta sexta, Bolsonaro chamou Barroso de "idiota" e "imbecil", voltou a criticar as urnas eletrônicas e disse que "a fraude está no TSE". 

"A fraude está no TSE, para não ter dúvida. Isso foi feito em 2014", declarou o mandatário, repetindo a acusação infundada de que o então candidato Aécio Neves (PSDB) teria vencido o pleito contra a ex-presidente Dilma Rousseff (PT). 

Por meio de nota, o magistrado classificou as afirmações do presidente como "lamentáveis", afirmou que Bolsonaro foi instado a apresentar as provas de fraudes que diz ter sobre as eleições e que nada apresentou. Acrescentou que a realização de eleições "é pressuposto do regime democrático". 

"Qualquer atuação no sentido de impedir a sua ocorrência viola princípios constitucionais e configura crime de responsabilidade", disse Barroso. 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos