Terceiro homem mais rico do mundo conta seus piores erros de investimentos

Sinônimo de sucesso, Warren Buffet conta quais foram seus piores erros de investimentos ao longo da vida. Aprenda e não cometa os mesmos equívocos. (AP/John Peterson)

Uma das pessoas mais ricas do mundo, Warren Buffet é sinônimo de sucesso no setor de investimentos, mas nem sempre foi assim. Com uma fortuna avaliada em US$ 85 bilhões, o investidor reconhece que cometeu grandes erros em sua carreira, assumindo total responsabilidade e, inclusive, aprendendo com cada um deles. Em entrevistas concedidas ao longo dos anos, ele indicou quais foram seus piores equívocos e ofereceu boas dicas para você não errar da mesma maneira. Confira:

1. Cuidado com as emoções

Warren Buffet classifica como seu pior erro a compra da Berkshire Hathaway, em 1962. De acordo com o investidor, a Berkshire era uma empresa têxtil falida e a compra foi feita por ele porque as ações estavam baratas. Havia um acordo entre ele e a própria empresa, sugerindo comprar cada uma das ações por US$ 11,50 e obter um certo lucro.

Pouco tempo depois, ele recebeu um documento oficializando a compra, mas sugerindo US$ 11,35 por ação. Como o valor era menor do que o acordado, Buffet se recusou a vender sua parte e, só para se vingar, comprou mais ações e se tornou o maior acionista.

Depois da compra, ele demitiu o gerente responsável pela negociação anterior. “Foi o erro mais estúpido que já cometi. Se em vez de colocar esse dinheiro no negócio de têxteis originalmente, tivesse investido em uma companhia de seguros, a Berkshire valeria o dobro do que vale hoje”, detalhou.

O conselho do bilionário? Compre ações porque deseja possuir o negócio, não porque as ações estão baratas.

2. Não cometa o mesmo erro

Treze anos, em 1975, depois de ter comprado a Berkshire Hathaway, o investidor decidiu adquirir a Waumbec Mills, outra empresa do segmento têxtil.

“O preço da compra foi uma barganha com base nos ativos que recebemos e na sinergia projetada com o negócio da Berkshire”, explica Buffet. Apesar dos planos, a empresa não deu o resultado esperado. Pelo contrário: ela acabou se tornando um prejuízo, tendo que ser fechada pouco tempo depois.

Nesse caso, o investidor é claro: não insista no mesmo erro. Ao perceber que uma estratégia não está dando certo, mude-a.

3. Não deixe passar as oportunidades

Buffet se arrepende de não ter investido no Google, empresa de tecnologia que tem se valorizado bastante nos últimos anos. Em uma conversa com investidores no ano passado, ele afirma que considera um erro não ter comprado ações da empresa, quando as ações eram acessíveis para  uma subsidiária integral de sua empresa.

Ele explica que não adquiriu ações de companhias de tecnologia no passado porque não entendia como elas funcionavam. Mas, para ele, esse não é um motivo suficiente, já que era um dos clientes da empresa e deveria ter adivinhado que elas se valorizariam.

4. Cuidado com o excesso de otimismo

Até uma pessoa experiente pode cometer erros básicos, como foi o caso da compra de ações da companhia ConocoPhillips.

“Sem conversar com ninguém, comprei uma grande quantidade de ações da ConocoPhillips quando os preços do petróleo e do gás estavam perto do pico. De maneira nenhuma eu previ a queda drástica dos preços que aconteceu pouco tempo depois da compra”, explica Buffett. O investimento inicial foi de US$ 7 bilhões, mas meses depois elas passaram a valer somente US$ 4,4 bilhões.

O conselho dele é consultar pessoas de confiança antes de fazer um investimento grande. Se possível, considere opiniões diferentes.

5. Tome as decisões rapidamente

Em 2012, a Berkshire Hathaway possuía 415 milhões de ações da distribuidora britânica Tesco. Depois de vender algumas ações da companhia, por preocupações com a administração, e lucrar US$ 43 milhões, Buffett continuou investindo. 

“Um investidor atento, tenho vergonha de relatar, teria vendido as ações da Tesco antes. Cometi um grande erro com esse investimento”, declarou, explicando que em 2014 houve um exagero na previsão de lucros e consequentemente a queda de ações.