Assassinato de menina por estuprador reincidente gera indignação na França

Paris, 30 abr (EFE).- O assassinato brutal de uma menina de 13 anos gerou uma onda de indignação na França, pois o suposto autor é um estuprador reincidente que foi condenado em 1996 por violentar uma adolescente de 12 anos.

O promotor de Lille, no norte do país, Thierry Pocquet, apresentou nesta segunda-feira detalhes do crime que causou enorme comoção na França neste fim de semana, quando se soube que a pré-adolescente Angélique Six, desaparecida desde o dia 25 de abril na cidade de Wambrechies, tinha sido assassinada.

O assassino confesso, um homem de 45 anos e pai de dois filhos, pode ser condenado à prisão perpétua devido às acusações de sequestro, violação e assassinato de uma menor de 15 anos, comentou Pocquet, que deu detalhes do assassinato da menina.

Depois de forçá-la a realizar práticas sexuais, Angélique foi "estrangulada" pelo suspeito, que tinha tomado remédios para disfunção erétil e bebido cerveja horas antes.

O indivíduo, que trabalhava como motorista para uma empresa de ônibus na região de Lille e era vizinho da jovem, já tinha sido condenado por crimes semelhantes.

Em 1996, o homem foi sentenciado a nove anos de prisão por estuprar uma menor de 12 anos e por agressões sexuais cometidas contra duas mulheres de aproximadamente 40 anos.

Desde que saiu da prisão em 2000, o indivíduo não foi alvo de acompanhamento psicológico porque a lei vigente na França não contemplava isso, mas seu nome foi inserido no arquivo judicial nacional de delinquentes sexuais, que o obrigava a se apresentar à polícia todos os anos.

De acordo com o promotor, o suspeito respeitava "globalmente" as obrigações que envolviam estar nesse arquivo.

O assassinato da pequena Angélique gerou uma onda de indignação na França, sobre tudo a respeito do funcionamento do sistema judicial. EFE