Terremoto atinge Turquia e Grécia e deixa ao menos 19 mortos e mais de 700 feridos

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Um forte terremoto de magnitude 7 atingiu o mar Egeu nesta sexta-feira (30) e foi sentido na Grécia e na Turquia, onde prédios desabaram na província costeira de Esmirna. Pelo menos 17 pessoas morreram e 709 ficaram feridas na Turquia, e duas morreram na Grécia, de acordo com os governos locais. Os moradores correram para as ruas durante os tremores, também registrados nas cidades de Atenas e Istambul, segundo relatos de testemunhas e vídeos publicados em redes sociais. Ao menos 17 edifícios desabaram em Esmirna, a terceira maior cidade da Turquia. Tendas foram montadas para receber 2.000 pessoas desalojadas. Murat Kurum, ministro do Meio Ambiente e Planejamento Urbano, confirmou que há mais vítimas entre os escombros e que equipes de socorro foram mobilizadas para as operações de resgate. Uma das mortes já confirmadas foi provocada por afogamento. O nível do mar subiu rapidamente após os tremores. "Parece haver um pequeno tsunami", disse a uma emissora local Ismail Yetiskin, prefeito de um dos distritos atingidos. Na Grécia, dois adolescentes foram encontrados mortos na cidade de Vathy, na ilha de Samos, numa área onde um muro desabou. Moradores da ilha, que tem uma população de cerca de 45 mil habitantes, receberam um alerta para ficar ao ar livre e longe de prédios e de áreas costeiras. Um porta-voz da polícia grega disse que houve danos a alguns prédios antigos. "Nunca vivemos nada parecido. As pessoas estão em pânico", disse George Dionysiou, vice-prefeito de Samos. Imagens da mídia turca e outras publicadas nas redes sociais mostram carros, geladeiras, mesas e outros móveis sendo arrastados pela inundação nas ruas da cidade. O porto de Esmirna também foi tomado pela água e dezenas de embarcações ficaram à deriva. “Todas as nossas instituições se deslocaram para o local para iniciar os esforços necessários”, disse o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, em uma publicação no Twitter. Os líderes da Turquia e da Grécia conversaram por telefone e disseram que estão prontos para se ajudar, se for preciso, e enfatizaram a importância da solidariedade. "Não importan nossas diferenças, em tempos assim nossos povos devem ficar juntos", escreveu no Twitter o primeiro-ministro grego, Kyriakos Mitsotakis. Erdogan também respondeu pela rede social: "Que dois vizinhos mostrem solidariedade em tempos difíceis é mais valioso do que muita coisa na vida". ​A Presidência de Gestão de Emergências e Desastres da Turquia (Afad) estimou a magnitude do terremoto em 6.6, enquanto o Serviço Geológico dos EUA disse que foi de 7. O epicentro foi registrado a cerca de 17 km de Esmirna, a uma profundidade de 16 km, disse a AFAD, enquanto o órgão americano disse que a profundidade era de 10 km e que o epicentro ficava a 33,5 km da costa da Turquia. Ilke Cide, um estudante de doutorado que estava em Esmirna durante o terremoto, contou que saiu da praia ao perceber que o nível das águas começou a subir após o terremoto. "Estou muito acostumado com terremotos, então não levei muito a sério no início. Mas desta vez foi realmente assustador", disse ele à agência de notícias Reuters, acrescentando que o tremor durou entre 25 e 30 segundos. Atravessada por grandes falhas geológicas, a Turquia está entre os países mais propensos a terremotos do mundo. Em 1999, um terremoto de magnitude 7.4 sacudiu a cidade de Izmit, no noroeste do país, causando mais de 17 mil mortes e deixando mais de 500 mil pessoas desabrigadas. Em 2011, um tremor de magnitude 7.1 na província de Van matou mais de 600 pessoas. Em janeiro deste ano, 40 pessoas morreram durante um terremoto de magnitude 6.8 na província de Elazig, no leste do país.