Terremoto em Sichuan, na China, deixa mais de 30 mortos

PEQUIM (Reuters) - Um terremoto de magnitude 6,8 atingiu a província chinesa de Sichuan nesta segunda-feira, o mais forte na região desde 2017, matando mais de 30 pessoas e sacudindo a capital provincial de Chengdu e províncias mais distantes.

Algumas estradas e casas perto do epicentro foram danificadas por deslizamentos de terra, enquanto as comunicações caíram em pelo menos uma área, informou a televisão estatal.

Nenhum dano a barragens e usinas hidrelétricas dentro de 50 km do epicentro foi relatado, embora os danos à rede provincial tenham afetado a energia para cerca de 40.000 usuários.

O epicentro foi na cidade de Luding, disse o centro de terremoto da China, nas montanhas, a cerca de 226 km a sudoeste de Chengdu.

Os terremotos são comuns na província de Sichuan, no sudoeste, especialmente em suas montanhas a oeste, uma área tectonicamente ativa ao longo da fronteira leste do planalto Qinghai-Tibetano.

O governo provincial de Sichuan disse que mais de 30 pessoas morreram. Pelo menos quatro delas estavam em Luding.

Laura Luo, que mora em Chengdu, uma cidade de cerca de 21 milhões de pessoas, estava a caminho de seu bloco de apartamentos quando viu pessoas saindo correndo dos prédios em pânico depois de receberem alertas de terremoto em seus telefones.

"Muitas pessoas ficaram tão aterrorizadas que começaram a chorar", disse a consultora internacional de relações públicas à Reuters.

"Todos os cães começaram a latir. Foi realmente muito assustador", afirmou ela, referindo-se a quando o terremoto começou.

(Reportagem da Redação de Pequim)