Bombardeio americano contra base aérea na Síria deixa pelo menos 4 mortos

Cairo, 7 abr (EFE).- Pelo menos quatro militares sírios, entre eles um comandante da Força Aérea, morreram por conta do bombardeio realizado na madrugada desta sexta-feira pelos Estados Unidos, contra uma base aérea de Shayrat, na Síria, informou hoje o Observatório Sírio de Direitos Humanos.

Além das mortes confirmadas, o ataque deixou dezenas de feridos e destruiu "quase por completo" a base aérea, que é a segunda mais importante das forças governamentais sírias, segundo um comunicado do Observatório.

A base aérea de Shayrat está localizada a 25 quilômetros da cidade de Homs e, segundo fontes citadas pelo Observatório, foi o ponto desde onde decolaram os aviões que bombardearam Jan Shijun.

Nestas instalações militares havia aviões, armamento de defesa aérea, casas de oficiais e um depósito de combustíveis, de acordo com a ONG.

O bombardeio de Jan Shijun, no norte da Síria, foi realizado na última terça-feira, e a ONU confirmou que pelo menos 70 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas, embora o Observatório tenha elevado o número de mortos para 86 e a Defesa Civil falou em mais de 300 feridos.

A oposição síria e vários países, entre eles Estados Unidos, França e Grã-Bretanha, acusaram ao governo de Bashar al Assad de haver usado armas químicas no ataque.

No entanto, tanto o governo sírio como a Rússia, seu principal aliado, negaram essa versão e afirmaram que no ataque foi atingido um depósito de armas químicas usado por "terroristas".

Por enquanto, nem a ONU nem a Organização para a Proibição de Armas Químicas confirmaram o tipo de agente químico utilizado em Jan Shijun, embora Médicos Sem Fronteiras (MSF) informou que sua equipe atendeu pacientes com sintomas compatíveis com a exposição a uma substância como o gás sarin. EFE