Tesla corta preços e pressiona rivais

Tesla

(Reuters) - A Tesla reduziu globalmente os preços de seus veículos elétricos em até 20%, ampliando uma estratégia de descontos e desafiando rivais, após frustrar previsões de entregas para 2022.

O movimento ocorreu após o presidente-executivo da montadora, Elon Musk, alertar que a perspectiva de recessão e taxas de juros mais altas significa que poderia baixar os preços para sustentar o crescimento do volume às custas do lucro.

Musk reconheceu no ano passado que os preços se tornaram "embaraçosamente altos" e podem prejudicar a demanda.

Os preços mais baixos nos EUA, Europa, Oriente Médio e África, após cortes na semana passada na Ásia, marcam a reversão da estratégia que a montadora havia seguido durante em 2021/22, quando os novos pedidos de veículos excederam a oferta.

A desaceleração da inflação também foi um fator na redução de preços em seu principal mercado europeu, disse um porta-voz da Tesla na Alemanha.

Os cortes de preços nos Estados Unidos em seus campeões de vendas, o sedã Model 3 e o crossover SUV Model Y, ficaram entre 6% e 20%, mostraram cálculos da Reuters, com o Model Y básico agora custando 52.990 dólares. Isso antes do crédito fiscal federal de até 7,5 mil dólares, que entrou em vigor em janeiro.

A empresa também reduziu preços na Áustria, Suíça e França, sendo que neste último clientes que comprarem o Model 3 por 44.990 euros terão agora uma redução extra por meio de um subsídio do governo de 5.000 euros.

Para um comprador norte-americano do Modelo Y de longo alcance, o novo preço da Tesla combinado com o subsídio dos EUA equivale a um desconto de 31%.

Em Nova York, as ações da Tesla recuavam cerca de 3%. Papéis do setor também recuavam com investidores temendo que o movimento corroa as margens, principalmente com a intensificação da concorrência.

Na China, onde a Tesla cortou os preços na semana passada em 6% a 13,5%, clientes protestaram nos centros de entrega, pedindo compensação.

(Por Zhang Yan , Hyunjoo Jin e Victoria Waldersee)