Tesla, de Elon Musk, é processada por mentir sobre recursos de piloto automático

Tesla, de Elon Musk, é processada por mentir sobre recursos de piloto automático
Tesla, de Elon Musk, é processada por mentir sobre recursos de piloto automático
  • A Tesla foi acusada de enganar o público ao anunciar falsamente seus recursos de Autopilot e Full Self-Driving;

  • A empresa enganou clientes ao anunciar que a tecnologia era totalmente funcional ou “ao virar da esquina”;

  • A Tesla disse que ambas as tecnologias “exigem supervisão ativa do motorista”.

A Tesla foi processada nesta quarta-feira (14) em uma ação coletiva que acusa a empresa de carros elétricos de Elon Musk de enganar o público ao anunciar falsamente seus recursos de Autopilot e Full Self-Driving, o sistema de direção automatizada da montadora.

A denúncia acusou Tesla e Musk de, desde 2016 , anunciar enganosamente a tecnologia como totalmente funcional ou “ao virar da esquina”, apesar de saber que a tecnologia não funcionava ou era inexistente e tornava os veículos inseguros .

Briggs Matsko, o autor nomeado, disse que a Tesla fez isso para “gerar entusiasmo” sobre seus veículos, atrair investimentos, aumentar as vendas, evitar falências, aumentar o preço de suas ações e se tornar um “player dominante” em veículos elétricos.

“A Tesla ainda não produziu nada que se aproxime remotamente de um carro totalmente autônomo”, disse Matsko.

A ação movida em um tribunal federal em São Francisco busca danos não especificados para pessoas que desde 2016 compraram ou alugaram veículos Tesla com recursos de piloto automático, piloto automático aprimorado e direção autônoma completa.

O processo seguiu queixas apresentadas em 28 de julho pelo Departamento de Veículos Motorizados da Califórnia, acusando a Tesla de exagerar o quão bem seus sistemas avançados de assistência ao motorista (ADAS) funcionavam. As soluções podem incluir a suspensão da licença da Tesla na Califórnia e a exigência de restituição aos motoristas.

A Tesla disse que o Autopilot permite que os veículos orientem, acelerem e freiem dentro de suas faixas, enquanto o Full Self-Driving permite que os veículos obedeçam aos sinais de trânsito e mudem de faixa.

Também disse que ambas as tecnologias “exigem supervisão ativa do motorista”, com um motorista “totalmente atento” cujas mãos estão no volante, “e não tornam o veículo autônomo”.

Desde 2016, a Administração Nacional de Segurança no Tráfego Rodoviário dos EUA abriu 38 investigações especiais de acidentes de Tesla. desde 2016,