Tesla sujeita mulheres a condições "aterrorizantes" de assédio sexual em fábrica, diz processo

·2 min de leitura

Por Jonathan Stempel

(Reuters) - A Tesla sujeita trabalhadoras a condições "aterrorizantes" de assédio sexual desenfreado em sua fábrica principal, e os supervisores viram as costas quando as queixas são apresentadas, de acordo com um novo processo.

Jessica Barraza, 38, disse que suportou assobios e toques inadequados "quase diariamente" em seus três anos na fábrica em Fremont, na Califórnia, onde trabalha em turnos noturnos na área de produção.

Barraza disse que a gota d'água veio em 28 de setembro, quando um homem se aproximou por trás dela e colocou a perna entre suas coxas quando ela chegou do intervalo para o almoço.

"Oh, que pena", disse ele, rindo, depois que ela escapou, de acordo com a queixa em um tribunal estadual da Califórnia em Alameda County.

A vítima disse que o departamento de recursos humanos da Tesla não respondeu às queixas que ela registrou em setembro e outubro, e até desativou o endereço de e-mail da empresa pelo qual recebia reclamações.

A Tesla não respondeu imediatamente nesta sexta-feira aos pedidos de comentários.

Em 4 de outubro, um júri federal em San Francisco ordenou que a Tesla pagasse 136,9 milhões de dólares a Owen Diaz, um ex-operador de elevador negro que enfrentou assédio racial. Em 16 de novembro, a empresa reverteu a sentença, afirmando que "abomina e condena" todas as calúnias raciais e que, mesmo que devesse ter feito melhor para erradicar o racismo, o máximo que Diaz merecia eram 600.000 dólares.

Barraza está buscando indenizações compensatórias e punitivas por violações do California Fair Employment and Housing Act.

Ela também disse que, como muitos "empregadores de tecnologia", a Tesla exige que muitos trabalhadores assinem acordos arbitrários, mantendo disputas no local de trabalho fora dos tribunais, mas que os termos "inescrupulosos" de seu acordo o tornam inviável.

Barraza disse que está de licença por recomendação médica, com diagnóstico de transtorno de estresse pós-traumático.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos