'Tesoureiro' do genocídio ruandês se opõe a se entregar à Justiça internacional

Um 'X' sobre as fotos de Félicien Kabuga, detido em Paris, em uma ordem de busca em Kigali, Ruanda, 11 de maio de 2020

Félicien Kabuga, considerado o "tesoureiro" do genocídio em Ruanda, detido no sábado perto de Paris após ficar 25 anos foragido, se opõe a ser entregue à Justiça internacional, informaram à AFP nesta terça-feira (19) seus advogados, depois que o Ministério Público o notificou sobre sua ordem de prisão.

Laurent Bayon e Emmanuel Altit acrescentaram que vão interpor na Câmara de instruções do Tribunal de Apelações de Paris "diferentes demandas", já que seu cliente "se opõe ao seu traslado a Arusha", na Tanzânia, onde poderia ser julgado pelo Mecanismo para os Tribunais Penais Internacionais (MTPI), a estrutura encarregada de concluir o trabalho do Tribunal Penal Internacional para Ruanda (TPIR).

A defesa de Kabuga, de 84 anos, também informou que recorreria ao Tribunal Judicial de Paris por violação de seus direitos fundamentais, já que considera inadmissível que tenha sido "apresentado como um dos principais genocidas ruandeses em um comunicado comum de imprensa do Ministério Público e da gendarmeria nacional, difundido em 16 de maio de 2020, se seu julgamento ainda não foi realizado".

Kabuga, que morava nos arredores da capital francesa com identidade falsa, é acusado de ter criado as milícias Interahamwe, principal braço armado do genocídio de 1994, que deixou 800.000 mortos em Ruanda, segundo a ONU.

O octogenário é acusado de "genocídio", "incitação direta e pública a cometer genocídio" e "crimes contra a humanidade" (perseguições e extermínio).

Kabuga presidia a tristemente célebre Rádio Televisão Livre das Mil Colinas (RTLM), que difundiu convocações para assassinar os tutsis, e o Fundo de Defesa Nacional (FDN), que coletava "fundos" para financiar a logística e as armas dos milicianos hutus Interahamwe, segundo a ata de acusação do TPIR.