Tesouro dos EUA congela bens de oito juízes do Supremo da Venezuela

O presidente do Tribunal Supremo de Justiça da Venezuela, Maikel Moreno, em Caracas, em 1º de abril de 2017

O Tesouro dos Estados Unidos anunciou nesta quinta-feira sanções econômicas contra oito magistrados do Tribunal Supremo da Venezuela, acusados de decisões judiciais que "usurparam" a autoridade do Legislativo.

A medida determina o congelamento de bens nos Estados Unidos de oito juízes, "responsáveis por um número de decisões judiciais no último ano que usurparam a autoridade" da Assembleia Nacional, controlada pela oposição ao presidente Nicolás Maduro.

As sanções atingem o presidente do Supremo, Maikel Moreno, e os sete principais membros da Sala Constitucional: Juan José Mendoza, Arcadio de Jesús Delgado Rosales, Gladys Gutiérrez, Carmen Auxiliadora Zuleta, Luis Fernando Damiani, Lourdes Benicia Suárez e Calixto Ortega.

Desde 2015, a oposição controla a Assembleia Nacional, que foi declarada em desacato pelo Supremo e tem suas decisões bloqueadas, em um prolongado choque de poderes.

No final de março, a Sala Constitucional decidiu assumir as prerrogativas do Parlamento e acabar com a imunidade dos legisladores, em duas decisões revogadas parcialmente diante do repúdio internacional e que provocaram a atual onda de protestos que sacode o país.

"Estes oito juízes foram os responsáveis por estas decisões. A Sala Constitucional escreveu a maioria das decisões e Maikel Moreno, como presidente do Supremo, as defendeu publicamente", acrescentou o Tesouro.