'The Good Doctor': saiba por que você vai viciar no drama médico

Shaun Murphy (Freddie Highmore), é o 'Bom Doutor' (Foto: Reprodução/ABC)

Um dos grandes sucessos dos Estados Unidos vai estrear na TV aberta aqui no Brasil para a alegria dos fãs de dramas médicos. A primeira temporada de ‘The Good Doctor - O Bom Doutor’ será exibida a partir desta quinta-feira (29) na Globo. Os dois primeiros episódios da atração passaram na ‘Tela Quente’ em formato de filme em agosto de 2018 e foi a melhor audiência da faixa horária em 7 anos. Uau! E não à toa...

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

A série conta a história de Shaun Murphy (brilhantemente interpretado por Freddie Highmore), um jovem cirurgião que ganha a oportunidade de trabalhar em um hospital de prestígio. Até aí a trama parece ‘Grey's Anatomy’, outra febre mundial, mas a grande questão é que o protagonista tem autismo e síndrome de Savant (ou síndrome do sábio).

Leia também

Ao mesmo tempo em que Shaun tem dificuldades para se comunicar, ele é extremamente inteligente e tem uma memória incrível, o que é ótimo para um médico. Apesar do seu talento, o jovem vai enfrentar o preconceito dos colegas de trabalho mesmo com o apoio do presidente do hospital (e seu mentor), o dr. Glassman (Richard Schiff). Deu pra perceber que é muito interessante, não é mesmo?

‘The Good Doctor - O Bom Doutor’ é demais e, abaixo, listamos os motivos pelos quais você vai viciar na série!

1. Shaun Murphy é inspirador

Shaun Murphy é o cirurgião que a gente respeita (Reprodução/Giphy)

O protagonista nos ensina muito a cada episódio. Ele, apesar de ter dificuldades para lidar com os sentimentos, decidiu se tornar cirurgião por um motivo muito nobre (assista para saber). Shaun também tem consciência da sua condição e se esforça para melhorar sua interação com outras pessoas - sua característica que é mais criticada pelos “haters” do hospital. Vale dizer que as “bolas foras” que o personagem dá também são hilárias!

2. Os casos médicos são eletrizantes

Shaun tenta salvar uma vida no caminho para o seu primeiro dia no hospital (Reprodução/Giphy)

‘The Good Doctor’ é um prato cheio para os loucos por medicina. Os casos que chegam no hospital San Jose St. Bonaventure são bem complicados e pedem toda a dedicação dos médicos do departamento de cirurgia. Eles precisam quebrar a cabeça e sair da caixinha para ajudar os pacientes. Spoiler: eles chegam até a arriscar as próprias vidas para resolver uma situação caótica. Eita!

3. As mulheres são empoderadas e as melhores amigas que o jovem cirurgião poderia ter

Shaun e Lea: amamos essa amizade! (Reprodução/Giphy)

A dra. Claire Browne (Antonia Thomas) é simplesmente perfeita. Talentosa, sensível e determinada, também é residente e parceira de Shaun. Ao contrário de outros médicos, ela se orgulha do amigo e dá dicas para que ele se saia ainda melhor no trabalho. A BFF que a gente adoraria ter! Outra rainha da série é Lea (Paige Spara), vizinha de Shaun. Ela o trata de igual para igual, como todos deveriam agir, e ainda o leva para viver novas experiências. Essas relações rendem cenas emocionantes.

4. Tem casais para “shippar”

Sentiu a tensão entre Claire e Kalu? (Reprodução/Giphy)

Como um bom drama médico, existe o famoso climão entre alguns personagens. Claire e Kalu (Chuku Modu) já começam a série discutindo sobre o romance deles. O médico quer fazer o relacionamento com a médica vingar porém ela não está lá muito interessada. É que a gente não quer contar o que acontece na série, mas a verdade é que essa musa da medicina seria o par perfeito de outro cirurgião galã...

5. É uma série para a família toda

Laudo médico: viciados em 'The Good Doctor'! (Reprodução/Giphy)

Pode parecer clichê, mas ‘The Good Doctor’ é um programa para todos. Quando você menos esperar, a família inteira vai estar jogada no sofá à noite vidrada na telinha. A atuação de Freddie Highmore é impecável, o que nos faz entender melhor o autismo e nos mostra como precisamos ter mais empatia com o próximo. Perfeita para rir, chorar, se emocionar, aprender e se despir de preconceitos.