Thelminha, Erika Januza, Silvio Guindane e outros artistas negros dão dicas culturais

Amanda Pinheiro
·2 minuto de leitura

Livros, séries, filmes e podcasts. Seja para passar o tempo ou aprender sobre determinado assunto, muitas pessoas apostam nessas atividades no dia a dia. E, como o que é bom precisa ser compartilhado, às vésperas do Dia da Consciência Negra, artistas como Erika Januza, Silvio Guindane, Thelmas Assis, Solange Couto, Jonathan Azevedo, entre outros, deram dicas do que assistiram ou leram e gostaram.

Veja as indicações abaixo:

“Minha indicação é “Atlanta”, disponível na Netflix. O que me impactou nessa série foi ver toda uma construção e um olhar preto em tudo que se fala, com amor, afeto. E até os problemas retratados são exibidos por meio de uma perspectiva de quem viveu aquela dor. Então, é uma obra perfeita, e foi maravilhoso poder assisti-la. Recomendo demais!”

“O documentário ‘Black&White’ — feito em maio pelo jornalista Luís Nachbin, nos EUA, durante os protestos antirracistas do #BlackLivesMatter — é um filme necessário e útil, com um olhar clínico. E saber que minha live inspirou essa ideia mostra que sempre estive no caminho certo com minha arte”.

“Sugiro o filme “A tenente de Cargil”, baseado em fatos reais, o que eu adoro. A indicação é pela mensagem de perseverança e força da personagem principal que tem um sonho. Tudo conspira contra isso, mas ela não desiste e sempre dá um jeito”.

“O dilema das redes’, documentário original da Netflix, explica muito como o trem descarilhou no meio da informação mundial e mostra como nós temos tanto influências benéficas como maléficas dentro desse contexto das redes sociais. Principalmente, perante os adolescentes e de uma nova geração que está se formando. Esse documentário é essencial”.

“Gosto muito dos livros de Elisa Lucinda, desde o primeiro, “O semelhante”. O que me atrai na obras da artista é que ela faz poemas diferentes. Há uma diversidade de temas, sempre bem-humorados, realistas até quando fala de algo dramático. A escrita dela é intensa”.

“Indico o livro ‘Não basta não ser racista: sejamos antirracistas’, de Robin Diangelo. Ele fala sobre a fragilidade branca em enxergar o racismo de forma estrutural e da importância do reconhecimento dos privilégios, provando que o racismo deve ser discutido e refletido pelas pessoas brancas”.

Eu indico o livro 'Sobrevivências - Olhares em prosa e verso', de Fernanda Pires Sales. A obra conta histórias de como as pessoas sobreviveram ao confinamento, a este que nós fomos obrigados a entrar por conta da pandemia'

Cris Vianna

"Eu gosto das séries 'Blackish' e 'Grownish', e filmes indico 'Moonlight', 'Felicidade por um fio' e 'What happened miss Simone'"

"Hoje, indico 'Trilogia do confinamento', de Aldri Anunciação, 'O Pequeno Príncipe preto', de Rodrigo França e 'Um defeito de cor', de Ana Maria Gonçalves"