Thomas Müller volta atrás e desiste de aposentadoria da seleção

Campeão do Mundo em 2014 disse que se for chamado vai seguir defendendo a Alemanha

Thomas Müller deu entender que a partida de eliminação no Catar era a última dele pela Alemanha. Foto: Marvin Ibo Guengoer - GES Sportfoto/Getty Images
Thomas Müller deu entender que a partida de eliminação no Catar era a última dele pela Alemanha. Foto: Marvin Ibo Guengoer - GES Sportfoto/Getty Images

Thomas Müller desistiu da aposentadoria da Alemanha depois de insinuar que havia jogado sua última partida pelo país na eliminação da Copa do Mundo de 2022 na fase de grupos.

O atacante do Bayern de Munique decidiu permanecer disponível para seleção caso seja convocado para os próximos jogos ou torneios internacionais. Com 33 anos, Muller marcou 44 gols em 121 partidas e desempenhou um papel fundamental na conquista da Copa do Mundo de 2014 realizada no Brasil.

Leia também:

Parecia ser o fim de Müller com a camisa da Alemanha, depois que a vitória por 4 a 2 diante da Costa Rica não foi suficiente para evitar a eliminação na fase de grupos da segunda Copa do Mundo consecutiva.

Mas agora ele refutou seus próprios comentários após a derrota, insistindo que jogará pela Alemanha até se aposentar completamente do futebol.

“Fiquei emocionado depois do jogo, foi um momento triste. Eu pensei sobre isso e troquei ideias com Hansi Flick. Enquanto for futebolista profissional, estarei sempre disponível para a seleção nacional”, disse Müller em entrevista coletiva.

“Cabe ao treinador decidir quando, se e como. O objetivo é ter sucesso novamente. Hansi tem muitas opções no ataque. Estou muito relaxado, mas com certeza estarei lá quando o treinador precisar de mim”, seguiu.

Foi um choque depois que o veterano atacante sugeriu que havia jogado sua última partida pela Alemanha no Catar. Müller disse após o jogo contra a Costa Rica: “Tivemos muitos grandes momentos juntos. Obrigado por tudo.”

O técnico Hans Flick também admitiu que a Alemanha agora deve se concentrar na próxima geração de jovens jogadores após a eliminação na Copa do Mundo.

"Acredito que, para o futuro do futebol alemão, precisamos fazer as coisas de maneira diferente nos treinamentos", disse Flick, que assumiu o cargo de técnico após a Eurocopa do ano passado.