Japão e Rússia retomam diálogo em matéria de segurança após 3 anos

Tóquio, 20 mar (EFE).- Os ministros das Relações Exteriores e de Defesa de Japão e Rússia realizam nesta segunda-feira em Tóquio suas primeiras reuniões bilaterais em matéria de segurança desde 2013, com o foco voltado para a Coreia do Norte.

Os ministros das Relações Exteriores e de Defesa russos, Sergei Lavrov e Sergei Shoigu, se reúnem com seus homólogos japoneses, Fumio Kishida e Tomomi Inada, em um encontro de um dia centrado em assuntos de segurança regional.

Estas reuniões ministeriais entre Tóquio e Moscou não ocorriam desde o encontro inaugural de novembro de 2013, devido à anexação da Crimeia por parte da Rússia em março do ano seguinte, que esfriou as relações entre os dois países vizinhos.

"Rússia e Japão necessitam fazer frente de maneira conjunta a muitas ameaças comuns", disse hoje o responsável de Defesa russo antes de reunir-se com sua colega japonesa, em declarações à agência "Kyodo".

Por sua parte, Inada explicou que o encontro bilateral acontece pela primeira vez desde 2013 devido à atual "gravidade do ambiente de segurança".

O acelerado desenvolvimento do programa de mísseis da Coreia do Norte, que no último dia 6 de março disparou quatro mísseis de médio alcance em águas japonesas, será de um dos principais assuntos do encontro, segundo fontes da parte japonesa.

A tensão na região aumentou também recentemente devido à instalação, por parte de Coreia do Sul e Estados Unidos, do polêmico escudo antimísseis THAAD em território sul-coreano, ao qual se opõem Pequim e Moscou.

O Japão espera ainda que este diálogo ajude a criar a atmosfera apropriada para resolver a disputa em torno das ilhas Curilas, sob controle de Moscou desde a rendição do Japão na Segunda Guerra Mundial em 1945.

Este conflito, que impediu que os dois países tenham assinado um tratado de paz, foi o protagonista da cúpula realizada no Japão em dezembro do ano passado entre o presidente russo, Vladimir Putin, e o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

A reunião de hoje em Tóquio poderia servir também para preparar uma visita de Abe a Moscou este ano. EFE