TikTok muda regras e converte contas de menores de 16 anos em privadas

Extra, com agências internacionais
·2 minuto de leitura
Foto: Arquivo

O TikTok, aplicativo de vídeos criado pela start-up chinesa ByteDance que se tornou um fenômeno mundial, principalmente entre o público jovem, decidiu mudar suas regras de privacidade. A partir de hoje, as contas de usuários com idade de 13 a 15 anos terão automaticamente seus perfis configurados como privados, o que significa que somente poderão ver seus vídeos pessoas autorizadas pelo titular da conta. A idade mínima para ter acesso a rede social é de 13 anos.

A função de permitir que qualquer pessoa faça comentários nos vídeos também foi removida: os usuários mais jovens agora terão a opção de permitir que apenas amigos comentem seus vídeos ou de desabilitar os comentários completamente.

Segundo a empresa, as mudanças fazem parte de um pacote de medidas para impulsionar padrões mais elevados de privacidade e segurança para os menores de 16 anos que utilizam a plataforma.

O TikTok também desativou o download de vídeos criados por menores de idade e não incluirá mais essas contas como parte de suas sugestões de forma automática. Essas sugestões são movidas por algoritmos.

Leia também:

A rede social também fez alterações em seu popular recurso Duet, que permite aos usuários gravar seu próprio conteúdo junto com outro vídeo TikTok enquanto ele é reproduzido.

Também alterou Stitch, pelo qual a pessoa pode recortar e integrar cenas do vídeo de outro usuário às suas.

Vídeos criados por adolescentes com menos de 16 anos não estarão mais disponíveis para Duet ou Stitch. Para usuários de 16 a 17 anos, a configuração padrão será permitir apenas aqueles que são amigos.

O TikTok fez uma série de mudanças nos últimos meses para aumentar a segurança para menores de idade na plataforma, incluindo a restrição de mensagens diretas e lives para contas de menores de 16 anos.

Também criou um recurso chamado Family Pairing, que permite que os pais monitorem as contas de seus filhos.

O aplicativo chinês de vídeos curtos foi destaque no ano passado, com mais de 800 milhões de usuários ativos e dois bilhões de downloads, ficando atrás apenas do Instagram e do Facebook.

Conquistando inicialmente usuários mais jovens, o TikTok cresceu em popularidade também entre os adultos nos últimos meses, tornando-se um alvo para empresas rivais de mídia social e centro de polêmica.

O presidente Donald Trump tentou banir a rede social dos Estados Unidos, alegando que o app representava uma ameaça à segurança nacional.