Tino Marcos revela apelido de Galvão nos tempos da Globo: “Papagaio”

·2 minuto de leitura
Tino Marcos falou sobre sua relação com Galvão e revelou apelido do amigo / Foto: Reprodução
Tino Marcos falou sobre sua relação com Galvão e revelou apelido do amigo / Foto: Reprodução

Em 35 anos de Rede Globo, o repórter Tino Marcos trabalhou grande parte desse tempo ao lado de Galvão Bueno. Durante participação no canal “Camisa 21”, de Bolívia, ex-integrante do “Desimpedidos”, o jornalista falou sobre sua relação de longa data com o narrador.

Questionado se já havia brigado com Galvão, Tino negou, mas confessou que ficou incomodado com a falta de espaços para dar informações durante as transmissões e fez uma revelação curiosa sobre o apelido do antigo companheiro.

Leia também:

“Não (briguei). Se eu já fiquei p..., fiquei na minha. Não falei nada. No máximo de querer falar e dar uma informação. ‘Ah, Galvão dá uma brecha, caramba!’. E ele falando. O apelido dele, não por acaso, é papagaio”, disse.

Apesar disso, Tino afirmou que nunca teve vontade de mandar um “Cala a boca, Galvão!”, campanha realizada por torcedores na Copa de 2010. “Não entrei naquela campanha. Sou suspeito, tenho uma história de amizade, além da parceria profissional. Nunca quis dizer ‘Cala a boca, Galvão’. Acho que ele foi muito bom na maneira como reagiu”, comentou.

O repórter disse que não tem saudades dos tempos de Globo e disse que não houve nenhum problema que culminasse na sua saída, mas contou um dos motivos que fez ele deixar a emissora. “Não estou não, eu tô curtindo muito essa fase nova de descobertas e outros horizontes. Não que eu tivesse nenhum problema lá, queria que aquele casamento lá acabasse sem discussão”, afirmou.

“Houve já situações chatas que eu passei na vida, mas assim eram cosias circunstanciais. O que eu tava achando chato, na verdade, nos últimos tempos, não era a Globo, mas a maneira como a gente começou a fazer reportagens de esporte, futebol, especificamente. A realidade que a gente tem hoje é ver roda de bobo, ver peteleco, ver jogador subindo nas costas dos outros, treino tático a gente praticamente não vê.... Comecei achar muito chato, pasteurizada a maneira de cobrir futebol”, revelou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos