Ataque a tiros em boate gay na Noruega está sendo investigado como terrorismo

A polícia norueguesa disse neste sábado que estava tratando o ataque a tiros em uma boate gay de Oslo como um ataque terrorista. Duas pessoas morreram e pelo menos 14 ficaram feridas em um ataque a tiros no início do sábado na capital da Noruega. A marcha de orgulho LGBTQIAP+ prevista para hoje foi cancelada pelos organizadores a pedido da polícia.

No Brasil: Homem é espancado por grupo ao sair de festa LGBTQIA: 'Eles se divertiam com a situação'

Relembre: Seis ataques homofóbicos que chocaram o mundo

O incidente ocorreu no London Pub, no centro de Oslo, que se intitula "a boate gay mais visitada da Noruega". Segundo testemunhas, um homem teria entrado no local carregando uma mala, de onde retirou uma arma e efetuou pelo menos 20 disparos. Entre os feridos, ao menos três estão em estado grave, e foram atendidos em um hospital próximo ao local.

Um suspeito de 42 anos foi preso logo após o tiroteio, de acordo com a polícia de Oslo no Twitter. O homem que está sob custódia é de origem iraniana e tem passagem pela polícia.

O primeiro-ministro da Noruega, Jonas Gahr Store, descreveu o crime como um “ataque cruel e profundamente chocante contra pessoas inocentes” em comunicado. O prefeito de Oslo, Raymond Johansen, chamou o ataque de “ horrível ”.

Impacto maciço: Suprema Corte dos EUA derruba direito legal ao aborto

Novo mapa: Veja em quais estados o aborto será proibido nos EUA, e onde continuará legal

Seguindo recomendações "claras" da polícia norueguesa, "todos os eventos relacionados ao Oslo Pride foram cancelados", escreveram os organizadores da marcha em um comunicado publicado no Facebook.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos