Adolescente atira em sala de aula de Goiânia e mata dois colegas

Por Eugenia LOGIURATTO
(Arquivo) Vista de Goiânia

O adolescente de 14 anos que matou dois colegas e feriu outros quatro nesta sexta-feira (20), na sala de aula de uma escola privada de Goiânia, capital de Goiás (centro-oeste), teria se inspirado em tiroteios em massa.

Filho de policiais, o jovem afirmou, em seu primeiro depoimento, que se inspirou em dois tiroteios conhecidos em escolas: o massacre de Columbine (1999) nos Estados Unidos e o de Realengo (2011), no Rio de Janeiro, segundo disse à imprensa o delegado Luiz Gonzaga Júnior.

"Pensava em se vingar há aproximadamente dois meses", disse ao jornal Estado de São Paulo o chefe da Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais.

A gota d'água foi o bullying que sofria de seus colegas, afirmou Gonzaga Júnior, encarregado da investigação.

Com a intenção de disparar em um aluno específico, ele carregou uma pistola de calibre 40 que estava em sua casa - escondida num móvel, segundo relatou aos agentes - e a levou à escola em sua mochila.

Por volta de 12h00, ainda na sala de aula, pegou a arma e, depois de disparar contra o colega, "segundo ele, teve vontade de matar mais", disse Gonzaga Júnior à Folha de São Paulo.

Pouco após apontar a pistola para própria cabeça, foi dissuadido de se suicidar por uma professora, segundo o delegado.

Entre os quatro feridos, uma menina de 13 está em estado grave após ter o pulmão perfurado por uma bala.

Ela foi operada, mas "respira com aparelhos e ainda corre risco de vida", informou Ricardo Mendonça, diretor técnico do Hospital de Urgências de Goiânia, para onde foi levada.

O presidente Michel Temer disse, no Twitter, estar "consternado com a tragédia na escola de Goiânia. Minha solidariedade às famílias. Força!".

- Bullying: 'gerador' de violência -

Os primeiros dados recolhidos pela polícia indicam que o adolescente não tinha denunciado na escola que sofria bullying.

Contudo, diversos relatos de estudantes à imprensa afirmam que ele era chamado de "fedorento" pelos colegas por supostamente não usar desodorante.

"Chama atenção" como o estudante teve acesso à arma em casa e como conseguiu depois entrar com ela em uma escola privada, destacou Cássio Almeida de Rosa, integrante do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, dedicado ao estudo da violência no Brasil.

O bullying "é um fator gerador de violência, que às vezes termina em casos extremos como o que aconteceu hoje", acrescentou.

Embora não seja tão comum nas instituições privadas, "a violência juvenil infelizmente está presente em nossas escolas", assegurou o especialista.

- Controle de armas -

Os disparos em Goiânia, apesar de serem tratados pelas autoridades com um caso "pontual", geram debate sobre o controle de armas no Brasil, em um momento em que o Congresso analisa uma proposta para flexibilizar o acesso às armas de fogo.

Com taxa de 21,2 homicídios com armas de fogo por 100.000 habitantes (o triplo da média mundial, segundo a OMS), o Brasil é o décimo país mais perigoso para se viver, segundo o internacional "Mapa da Violência 2016", publicado pela Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais (Flacso), que analisa cem países.

Em 2011, um jovem de 23 anos entrou em seu antigo colégio, a escola municipal Tasso da Silveira, em Realengo, e disparou à queima-roupa contra estudantes de entre 12 e 15 anos, deixando 12 mortos.

Em 20 de abril de 1999, em Littleton, nos Estados Unidos, dois adolescentes assassinaram 12 colegas e um professor da escola Columbine. Eles se suicidaram em seguida.