Tite consolida novo arsenal ofensivo do Brasil e vê leque maior que em 2018

Em vinte minutos o Brasil desfilou em campo diante da Coreia do Sul o arsenal ofensivo que Tite tem consolidado às vésperas da Copa do Catar. As variações na goleada por 5 a 1 tiveram a presença de Paquetá, Neymar, Raphinha e Richarlison, e depois mais Coutinho, Vini Jr, Gabriel Jesus e Matheus Cunha - sem contar Anthony, machucado -, muito mais opções do que o técnico tinha em 2018. O que torna a seleção ainda menos dependente do craque Neymar.

– Neymar é arco e flecha, conforme as circunstâncias do jogo. Ele tem essa capacidade. No PSG, jogando mais atrasado em relação a Mbappé e Messi. Aqui, ele fica mais premiado, mais flecha, a equipe trabalha em função de dar criatividade a ele nesse aspecto. Temos equipe solidária – analisou o treinador.

Nos preparativos para o mundial da Rússia, há quatro anos, a base do ataque tinha Coutinho, Neymar, William e Gabriel Jesus, com Douglas Costa como opção aguda e Firmino de referência. Naquela ocasião, corria por fora o atacante Taison, que acabou convocado. Agora, ainda não estão garantidos na lista do Brasil nomes como Gabigol, Hulk e Raphael Veiga, que se destacam no futebol nacional.

Mesmo em um amistoso, as alterações de Tite indicam novas alternativas já no meio-campo. Se Casemiro e Fred se consolidam e são quase intocáveis desde 2018, agora há também Fabinho e Bruno Guimarães em grande fase, com alguns minutos no segundo tempo. Talvez por ter uma espinha dorsal montada, Tite tenha insistido em dar a ela mais conjunto, e se mostrou preocupado com variações de peças em excesso que possam desconfigurar o sistema tático. Tanto que fez a ressalva na bola que entrou pelo meio da defesa e chegou para Hwang Ui-Jo girar sobre Thiago Silva. O 5 a 1, entretanto, veio facilitado pelos dois pênaltis convertidos por Neymar, pelo gol cedo de Richarlison, e por um adversário que não exigiu tanto nem no primeiro, quanto mais no segundo tempo, quando Coutinho e Jesus ampliaram.

– Gostei não só de quem começou entre os 11, mas de quem entrou. Ainda mais com alguns atletas vindo depois e trazendo esse nível de desempenho. Eu falo das "perninhas rápidas". Quanto mais o Fábio (Mahseradjian) colocar intensidade, mais o adversário se desgasta. A Seleção teve um padrão de atuação dos últimos jogos – disse o treinador.

As poucas certezas que faltam a Tite talvez estejam nas laterais. Diante de um adversário veloz, Daniel Alves sofreu na marcação e não conseguiu apoiar o ataque como de costume. Nem precisava tanto diante da movimentação de Raphinha em profundidade. Do lado esquerdo, porém, houve maior interação entre Paquetá, que jogou aberto desta vez, com Alex Sandro, autor da jogada do primeiro gol e vítima de dois pênaltis a favor do Brasil. Ganhou pontos na disputa com Alex Telles e Guilherme Arana, que sequer entraram. Outro que ficou fora dos testes foi Danilo, do Palmeiras.

O Brasil iniciou o amistoso com Neymar confirmado como titular após ser dúvida por um pisão no pé direito, e não estava no melhor de sua forma. Assim, Tite armou a equipe sem surpresas para um jogo que a princípio serviria para testes. Logo cedo, o árbitro de vídeo anulou um gol da seleção, de Thiago Silva. Em seguida, aos seis minutos, o bom toque de bola no ataque redundou em jogada de Alex Sandro, que avançou bem com as movimentações de Paquetá e Neymar pelo lado esquerdo, tocou para trás, e Fred achou Richarlison para empurrar para a rede. A jogada iniciou na verdade do lado direito, com Raphinha, que fez excelente inversão para pegar a defesa aberta.

Os dois gols de Neymar também vieram em jogada de Alex Sandro. O lateral sofreu falta na área e o árbitro de vídeo chamou para confirmar a penalidade. Neymar balançou a rede da mesma forma no fim do primeiro tempo e no começo da etapa final, deslocando o goleiro. Com isso, chegou a 73 gols, e está a apenas cinco de igualar Pelé, com 78, na artilharia da seleção.

No segundo tempo, Vini Jr foi o primeiro a entrar, na vaga de Richarlison. Com isso, Neymar passou a jogar mais adiantado e Paquetá por dentro. Mas nem dez minutos depois, o técnico colocou Coutinho e Gabriel Jesus. Neymar saiu, e Paquetá virou a referência. Coutinho assumiu o meio e Gabriel Jesus foi para a ponta direita com a saída de Raphinha. Em seguida, Coutinho fez o quarto gol. Foi a vez de Paquetá sair para Matheus Cunha assumir a função de centroavante. Nos acréscimos, Gabriel Jesus arrancou e fez o quinto.

Ficou a sensação de que as experiências duraram pouco e que se elas fossem feitas por mais tempo a seleção não teria queda de rendimento, pelo contrário. O jogo com o Japão, na segunda-feira, pode ser um tira-teima. Ainda foram observados Bruno Guimarães e Fabinho. Apenas a linha de zaga ficou intacta, e teve bom papel, sobretudo o goleiro Weverton. Agora, a seleção vai enfrentar o Japão na próxima segunda-feira, quando encerra os amistosos de junho.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos