’Tive crise de consciência’, diz ex-namorada de Dr. Jairinho após registrar agressão de vereador a filha

Paolla Serra
·1 minuto de leitura

RIO — Ao tomar conhecimento da abertura do inquérito instaurado na 16ª DP (Barra da Tijuca) para apurar a morte de Henry Borel Medeiros, de 4 anos, uma cabeleireira de 31 anos, diz ter tido uma crise de consciência. Ex-namorada do médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior, o Dr. Jairinho (Solidariedade), padrasto do menino, a moça foi até a delegacia relatar que ela e a filha foram agredidas pelo parlamentar há quase uma década. Ele, no entanto, afirma que a jovem mente e o calunia por ter sido abandonada no altar, situação “extremamente humilhante”, e que lhe causou “ódio e promessa de vingança”.

“Quando estourou a crise do Henry, tive a minha primeira crise de consciência, me senti deprimida. E comecei a pensar: “Será que se eu tivesse feito alguma coisa, isso teria sido evitado?”, emocionou-se a cabeleireira, em entrevista ao GLOBO.

Em detalhes, a mulher explica como se aproximou de Jairinho, como era o relacionamento de dois anos que teve com o parlamentar e como e por quê se deu o término do namoro. Ela também reafirma as acusações de agressões sofridas por ela e a menina e diz esperar contribuir com as investigações pelo Henry e pela filha.

EXCLUSIVA PARA ASSINANTES: