TJ aceita denúncia e seguranças que chicoteram jovem viram reús

Adolescente foi vítima de tortura após tentar furtar um chocolate. Foto: Reprodução

O TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) aceitou a denúncia contra os seguranças David de Oliveira Fernandes e Valdir Bispo dos Santos, que foram acusados de torturar um jovem negro de 17 anos após o menor de idade tentar furtar uma barra de chocolate no mercado Ricoy, no qual eles trabalhavam.

Os dois foram presos no início do mês, após o adolescente levar o caso à polícia. Agora, os dois são réus no processo que investiga o caso que ganhou grande repercussão após as imagens da tortura serem divulgadas.

O vídeo mostrou que, na ocasião, os dois seguranças amordaçaram o jovem, o deixaram nu e começaram a chicotear o adolescente com fios trançados.

Leia também:

As imagens, que não serão divulgadas pela reportagem para proteger a vítima, mostram que o adolescente tentava se proteger com as mãos, mas os homens o obrigavam a não fazer isso.

Após o caso ser divulgado, o adolescente reconheceu os seguranças e foi acolhido em um abrigo da rede socioassistencial da Prefeitura de São Paulo pelo Conselho Tutelar da Cidade Ademar e pelo Centro de Referência da Assistência Social. Antes, ele vivia nas ruas e era usuário de drogas.

Por meio de nota, o supermercado Ricoy afirmou que “condena e repudia todos os casos de violência, discriminação ou violação dos direitos humanos envolvendo direta ou indiretamente suas lojas” e que “acredita que para a construção de um país mais justo é preciso uma sociedade mais igualitária”.

Sobre o fato de os seguranças que trabalhavam no estabelecimento terem torturado o jovem, o supermercado afirmou que “espera que todos sejam punidos no rigor da lei sempre que o crime for comprovado”.