TNG entra com pedido de recuperação judicial

·1 minuto de leitura
***ARQUIVO***São Paulo, SP, Brasil, 14-01-2020: Tito Bessa Jr., presidente da Ablos e TNG. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)
***ARQUIVO***São Paulo, SP, Brasil, 14-01-2020: Tito Bessa Jr., presidente da Ablos e TNG. (foto Gabriel Cabral/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A rede de lojas de roupas TNG protocolou nesta sexta (21) um pedido de recuperação judicial após dificuldades de caixa agravadas pelo fechamento de lojas físicas durante a pandemia, de acordo com Tito Bessa Jr., presidente da empresa.

Caso a Justiça aprove o pedido, a empresa tem 60 dias para apresentar um plano.

Os pontos de venda da marca fecharam por 150 dias em 2020 e por 50 dias neste ano, em razão das medidas de restrição para evitar o contágio por Covid-19.

"Não nos restou outra opção a não ser buscar uma proteção legal com o intuito de reestabelecer nosso fluxo de caixa para que possamos operar normalmente e preservar empregos, evitando que ações de execução e outras constrições inviabilizem nossa capacidade de operar", afirmou Tito Bessa Jr., presidente da empresa, em comunicado.

No mercado nacional há 37 anos, a empresa havia intensificado seu canal de vendas online, mas a baixa demanda, os custos e a elevação do dólar, que impactou a operação, não foram suficiente para equilibrar as finanças. O plano de recuperação será apresentado em até dois meses.

"Temos grande oportunidade de voltar a crescer nesta nova etapa, mas será necessária e imprescindível finalizarmos nossos ajustes com essa medida. Temos uma marca democrática com presença e prestigio nacional e acreditamos que tal medida trará o equilíbrio que se faz necessário para aproveitarmos a retomada da economia", disse Bessa Jr. em comunicado.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos